A Guardiã, de Ane Viz

A Guardiã, de Ane Viz
Pessoal, o post de hoje é super especial pra mim: sobre um ótimo livro nacional que amei, e recomendo sem pensar duas vezes, e sua autora!
O post vai ficar grande, mas vale a pena ler cada linha.

Sinopse:
“É possível retomar o controle de sua vida depois que ela parece ter saído de suas mãos?” A vida de Lílian muda com a morte de sua melhor amiga a levando a uma grande confusão. Em meio a isso, se depara com o amor que não é como sempre imaginou. E agora ela está pronta para lutar e ser a guardiã que sempre sonhou. Lílian é uma garota comum, ou quase, que aprenderá que existe muito mais coisas que ela não conhece. Um nova vida com um rumo totalmente diferente quando ela se vê diante de um problema que não tem a solução. Vê seu destino ser drasticamente mudado e fugir completamente de suas mãos. Será ela capaz de poder guiar novamente sua própria vida e provar que pode ser e será a melhor guardiã de todas?

A Guardiã é diferente de tudo que já li. Pra começar, são apenas 130 páginas; os últimos livros que li eram maiores e com trechos irrelevantes para o enredo. A autora não ficou enrolando descrevendo tudo durante várias páginas; descreveu quando necessário e de forma rápida, e já começou o livro com ação. Simplesmente incrível!
A primeira impressão que tive da Lily é de que ela é forte, destemida e determinada. Embora sofra com a morte da amiga, se permite viver e recomeçar. Mudou de escola uma semana antes da formatura, teve um novo escolhido, descobriu que sua paixão de infância seria seu tutor e encarou tudo com a cabeça erguida.
Estou em uma ressaca literária até agora! Valeu à pena cada dia de espera do prazo de entrega.

Pra ficar mais fácil de entender, essas são as raça de vampiros:
Retirei as informações diretamente do grupo do livro.

Décès - são os vampiros que se alimentam de sangue humano, mas se sentem mais atraídos pelo sangue dos Puissance. São os seres sobrenaturais mais temidos por matarem por prazer. São conhecidos por serem imortais. O nome deles em francês significa "morte".

Puissance - são os vampiros que podem ser considerados como 'vivos', apesar de se alimentarem de sangue humano, eles usam uma quantidade pequena, somente o necessário para sobreviver, sem machucar ninguém. Eles dominam os quatro elementos (ar, terra, água e fogo). Mesmo sendo vampiros, eles ainda vivem e por conta disso podem morrer.

Tuteur - É uma raça diferente, e considerada anormal, pois são hibridos. Eles podem ser gerados de duas formas. A primeira, por serem filhos de tuteur com puissance. Segundo, puissance com humanos. Sua missão é serem responsáveis pela proteção dos puissance dos décès. O nome em francês significa "guardião".

O livro já começa com Lilian enfrentando um décès e perdendo sua melhor amiga e Puissance, Jessica. Sua vida fica de ponta cabeça, mas volta pra casa e seu pai, Al, com receio, a manda para a Academia do Brasil. Antes de partir com sua madrinha, ganha uma linda tatuagem para mostrar seu feito: matou muitos décès.
Recomeçou sem medo em uma academia em um país desconhecido e teve muitas surpresas. Se preparou para seu teste final e formou-se com muita alegria.

Querem saber um pouquinho mais sobre o livro? Olhem só essa mini entrevista:

MpL: Como surgiram a inspiração e o desejo para escrever A Guardiã?
Ane: A inspiração do livro foi depois de ler a saga Academia de Vampiros. Fiquei totalmente apaixonada e foi inevitável não imaginar uma nova raça. A principio, começou como um simples projeto, escrever uma aventura sobrenatural com novas características e um rumo diferente. Então, me vi envolvida com o livro, e logo estava empenhada mexendo nas páginas, fazendo alterações, procurando melhorar.

MpL: O que mais te incentivou a escrever um livro? Qual a maior dificuldade que encontrou?
Ane: Bom, sou uma leitora voraz, amo ler, e com isso escrever. Comecei escrevendo conto, para um concurso, logo, embrenhei em web novela e fanfic, posso dizer que foi uma escola. A partir disso meu amor por escrever somente aumentou. Quando vi, não tinha mais como parar. (Risos). A maior dificuldade? Acredito que foi conseguir publicar. É muito difícil conseguir que um livro seja avaliado e consiga um lugar no mercado literário. Quando se quer publicar não temos muita chance. Particularmente, não tinha condições financeiras de fazer uma edição independente, então, me arrisquei em procurar editoras, e agentes literários. E tive a grande oportunidade de lançar meu livro.

MpL: Foi difícil encontrar a voz do livro, a veia literária?
Ane: Não, não realmente. Assim que tive a ideia ela fluiu livremente, mas confesso... Algumas cenas como da batalha e as mais emocionantes foram mais complicadas de escrever. Nestas precisei reescrever mais de uma vez. Até achar que estava como queria.

MpL: Quanto tempo, aproximadamente, levou entre a ideia e a conclusão da estória? Como foi essa experiência?
Ane: Hm... Levei cerca de seis meses para concluir o projeto. Comecei o livro bem devagar, não tinha logo no inicio pensado em publicar, mas quando terminei estava apaixonada pelo resultado. Então, arregacei as mangas e fui à batalha. A experiência foi maravilhosa. Tanto de escrever como de lançar o livro. É deliciosa a sensação de ver seus sonhos ganhando vida e de poder segurar em suas mãos. Ver que seu esforço valeu a pena.

MpL: Como é seu processo criativo?
Ane: Isso depende. Acho... Amo escrever ouvindo música. Não sou de fazer um roteiro, mas escrevo a sinopse mesmo que depois seja alterada (risos). Primeiro, faço uma ideia na cabeça e depois passo para o papel ou seria tela do computador? Escrevo, reescrevo até ver o resultado que queria. Uma coisa que me ajuda muito é ler e escrever, sempre. Quanto mais se lê e se escreve melhor o seu trabalho.

MpL: Como foi o processo de criação das personagens? Inspirou-se na personalidade ou aparência de pessoas próximas?
Ane: Hm... Digamos que em partes. A Lily é uma mistura de pessoas, e tem algumas características minhas. Acho que nossas personagens sempre trazem algum traço nosso. Sou incrivelmente fã de Meg Cabot e as personagens seguem mais ou menos a linha dela. Não sou amante daqueles personagens que simplesmente sofrem sem agir... Gosto das pessoas que podem ser “reais” e lutam por seus sonhos.

MpL: O que podemos esperar dos próximos livros?
Ane: Muita aventura, romance e confusão! Sem sombra de dúvida. Antes de lançar o segundo livro da saga quero lançar o spin-off. Será sobre a primeira parte do livro (prólogo e primeiro capítulo) certamente aquele vampiro deixou muitas pessoas curiosas. Mas, infelizmente, ainda não tenho editora para os próximos livros. Vamos torcer para isso mudar. Ainda ouviram falar da Lily, pelo menos, em mais três livros (risos).


Gostaria de agradecer a oportunidade de divulgar meu trabalho. Agradecer ao blog e especialmente a Karol por seu carinho. Desejo à todos uma boa leitura e que lutem por seus sonhos, sempre! Sejam guardiões de seu destino.

Beijinhos mil,

Ane.



Eu que agradeço, Ane. Foi uma grande honra te conhecer, poder te entrevistar e ler seu livro. Muito obrigada!

Biografia:
A libriana Adriane Viz Veiga, 24, atualmente mora em Niterói e é formada em Letras português/espanhol pela Universidade Federal Fluminense e, também, tradutora profissional pelo Curso Abierto; com crônica e conto (concursos) e um livro no Clube dos Autores.
Desde cedo, ganhou gosto pela área de literatura e começou a escrever com apenas treze anos; mas só teve o primeiro conto publicado com quatorze anos, no II Concurso Municipal de contos de Niterói. Desde então, o seu amor pela escrita só aumentou.
Atualmente, conseguiu mais uma conquista: uma crônica publicada no I Concurso de crônicas e poesias do Instituto de Letras da UFF.
Se descreve como uma pessoa sincera, determinada e sonhadora. Tímida e distraída. Tem sempre em mente a ideia de que é preciso respeitar a todos e lutar por seus sonhos. Mesmo difíceis não são impossíveis. Alguém que se sente bem em poder compartilhar os pensamentos através de um texto e transportar o leitor para um mundo onde possa ser e fazer o que mais deseja. É poder tornar o dia de alguém melhor, pelo simples fato, de dar algum motivo para sorrir.
Para ela, escrever é uma forma de tornar os sonhos mais loucos e inesperados ao alcance das pessoas. Acredita que escrever é deixar um pouco de nós para os outros. Pensa que não há nada mais gratificante do que receber comentários sobre o seu trabalho e descobrir quando ele é bem recebido. A primeira experiência com essa sensação que tive foram através de fanfics que ainda escreve em diversos sites.
Muito atenciosa e simpática, a autora de A Guardiã não é inalcançável; seus fãs podem conversar e tirar dúvidas sobre suas obras e planos.

2 comentários:

  1. Karol,
    muito obrigada pelo seu carinho e por seu apoio. Fiquei completamente feliz com sua matéria.
    Adorei poder ler e te garanto que estou com um sorriso enorme no meu rosto sem data para
    sair de lá. Adorei poder te conhecer e saiba que estou aqui se precisar ou quiser perguntar algo.

    Beijinhos mil,
    Ane.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom! *-*
      Fico muito feliz em poder ler isso... Quando gosto de algo, quero que todos conheçam.
      Quando tiver novidades, não esquece de nos avisar. Estou louca pra poder ler o spin-off; e saber mais sobre o outro vampiro, é incrível! Pelo que entendi, a Lily o conhecia.
      Também adorei te conhecer. Se precisar de algo, também estou à disposição.

      Beijo.

      Excluir