{Especial Dia Das Crianças} Minha Infância - Escritora FML Pepper


Hoje a Minha Infância está ainda mais especial.
Hoje teremos duas escritoras lindas.
E para começar a escritora que me faz sonhar, que me faz acreditar em magia... A primeira escritora nacional com quem tive contato, e por quem sou apaixonada até hoje. E senão fosse por ela, eu acho que ainda estaria "estacionada" no tempo, e não teria percebido ainda nossa maravilhosa literatura nacional. Então eu devo a ela todos os maravilhosos livros nacionais que li, e os escritores super especiais que conheci. 

E como ela é super especial e uma escritora maravilhosa, resolver compartilhar conosco um pouquinho de sua infância em forma de história. Que demais!

Então vamos conhecer um pouquinho dessa super fofa?






Lembro-me perfeitamente do sol se pondo no horizonte, das nossas frequentes caminhadas para casa após o colégio, e da única livraria do bairro (pelo menos, que eu conhecesse ou me recorde).
Quando tinha pressa, era comum papai trocar de calçada para não ter de reduzir a marcha a ponto de parar na vitrine do lugar mágico que me hipnotizava com seu canto de sereia. Quando se esquecia de fazer a troca, brindava-me com um sorriso triste nos lábios e um aceno negativo de cabeça ao perceber que meus pequeninos olhos o encaravam de maneira suplicante.
— Não temos como comprar livros, filha. Você sabe.  — Sua resposta automática e mantra que odiava ouvir.
Mas naquela tarde algo diferente aconteceu.
Mágica...?
Imaginação...?
Papai propositalmente passou pela calçada da livraria. Tinha uma encomenda para buscar na sapataria do Sr. Antônio (e que ficava justamente ao lado da minha vitrine encantada!)
— Pssiu?
Parei.
— Pssiu? — A vozinha se repetiu.
Arregalei os olhos.  A voz vinha de dentro da vitrine! Dei dois passos a ponto de encostar a ponta do meu nariz arrebitado no vidro gelado.
— Pode olhar um pouquinho, filha. — A mão grande de papai liberava meus dedos miúdos enquanto conversava animadamente com o sapateiro.
Em estado de euforia, olhei embasbacada para o livro colorido que piscava para mim. Em sua capa estava a Branca de Neve cercada pelos sete anões e o destaque ficava por conta de uma maçã vermelha e reluzente (talvez por isso tenha ficado fascinada pela capa de Crepúsculo muito antes de saber o conteúdo da história! Kkk).
— Me leva com você?
Alarguei o sorriso inocente. Era o livro que estava falando comigo?!
— Mas eu não tenho como. Papai não tem dinheiro — respondi de bate pronto.
— Eu não disse para você me comprar. Eu disse para você me levar com você — repetiu ele.
— Hã?
— Ora, meu amorzinho, eu sou apenas um amontoado bem arrumado de folhas de papel que vai apodrecer e ser descartado com o passar dos anos. Mas o que está dentro de mim não terá fim.
— Você que dizer... As palavras?
— Mais do que isso, lindinha. Guardo dentro de mim a mensagem, o sonho. Você não precisará de dinheiro, eu serei o passaporte e a passagem para as viagens mais incríveis que fará em sua vida. Basta acreditar, imaginar, e criar as suas próprias histórias.
— Venha, filha! — papai me chamava.
— Vá, menininha! E não se esqueça do que lhe disse.
— Tá — dei de ombros, ainda confusa com a estranha conversa.
E fui embora.
Alguns passos à frente, a compreensão me invadia como uma avalanche. Soltei-me da pegada de papai e dei meia-volta.
Retornei à vitrine.
O lindo livro continuava lá, a maçã mais cintilante do que nunca.
— Entendi! — soltei entusiasmada. — Você já está aqui, basta eu querer — apontei para o meu coração — e posso levá-lo para onde bem entender e dividi-lo com todos que quiserem me ouvir. Afinal, as histórias somos nós que criamos. Os livros só nos recordam, dia após dia, que elas existem para serem contadas!
O livro reluziu ainda mais.
Beijei a vitrine e senti os dedos de papai acariciar os meus cabelos.
— Vamos, meu amor. Está tarde. Você precisa dormir.
Sorri de volta.
Quase isso papai, pensei comigo mesma.
 Eu precisava aprender a sonhar!
E foi assim, naquela humilde infância, que aconteceu o milagre da literatura em minha vida.
A sementinha.
O solo.
A vontade.
E aqui estou eu, dividindo minhas viagens fantásticas com vocês e sentindo meu coração vibrar com a mesma intensidade de quando ainda era aquela menininha.
E isso só foi possível porque, graças a “Papai do Céu”, os anos se passaram, mas o sonho não envelheceu dentro de mim, afinal, sonhos são para sempre!
Feliz dia das crianças para a criança que existe dentro de cada um de vocês.
Com carinho,
FML Pepper
 



Como podem ver ela é mesmo uma pessoa muito especial não?
Eu amei a sua história, e me emocionei muito.
A Pepper com certeza é uma escritora que eu amo demais, e conhecer um pouquinho mai sobre ela, foi lindo.

Espero que vocês também tenham gostado.

Um beijo enorme.


2 comentários:

  1. Que coisa mais linda a história que ela criou para contar como começou sua paixão pela escrita. Linda mesmo. Adorei!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é mesmo?
      Ela é linda, é muito querida.

      Beijos Fer

      Excluir