{Especial Mês Das Crianças} Minha Infância - Blogueira Dani Prado

Oi pessoal. Voltei com mais um especial Minha Infância para vocês.
Agora é sobre a Dani, nossa nova resenhista e colunista aqui do blog. A Dani como ela mesmo disse ai na história dela, ela só cresceu, mas não deixou de ser criança, mas na forma boa. A Dani é super alto astral e divertida. Ainda a conheço pouco, mas é uma pessoa super batalhadora e com uma energia positiva linda, que alcança a todos.

Então conheçam um pouquinho da Dani criança:






Ok ok, é pra falar sobre a infância... Vejamos, a minha infância não é um histórico de peraltices e nem de MUITA infância...



Acreditem ou não Pessoas, mas eu fui uma criança muito comportada, pra dizer a verdade, eu era muito anti-social (não, espera ai, eu ainda sou o.O), e o mais inacreditável é que eu nunca apanhei dos meus pais... Ok, foi só uma vez que levei uma puxadinha de orelha do meu pai porque joguei a vara de pescar predileta do véio na represa Kkkkkkkk... Aquilo doeu :/... Mas eu ri muito kkkk...

Pelo fato de eu ter uma certa dificuldade em fazer amizades quando criança, criei amigos imaginários... Até que os carinhas eram gente boa, e das raras vezes que eu brincava, era sempre com meus primos. Eu não gostava muito de brincadeiras que exigissem da minha capacidade física (até hoje não me dou muito bem com esportes), ou seja, não gostava de correr, pular e muito menos de ficar rodando em volta de cadeiras e alternando o agachar e levantar do “Morto/Vivo”... Nos jogos da escola, meu apelido era “Trave”, porque eu sempre era alvo de boladas ¬¬’’ ... Mas pra compensar, graças ao meu querido irmão que é 7 anos mais velho que eu, descobri o Videogame... Haaaa, bons tempos... Eu era muito viciada em PS (PlayStation) kkkk (tá, ainda sou, só um pouquinho). Não ter uma vida social infantil não me impediu do divertimento, pois sempre tive as minhas maneiras de diversão, é claro que, sem  peraltices e brincadeiras nas ruas com os amigos, mas sempre amparada por um bom convívio familiar que me permitia tal diversão. Desde criança, sempre fui louquinha, nunca funcionei muito bem das idéias kkkk. Nos primeiros anos do ensino fundamental, eu já me familiarizei bem com a biblioteca da escola, e eu adorava pegar aquele livro “Onde está Wally ?”, e eu odiava quando tinha um infeliz que pegava primeiro e marcava onde o carinha estava. E pra finalizar, não embasando na minha infância, mas no âmbito geral... Muitas pessoas me dizem hoje que eu só tenho tamanho, e que por dentro ainda sou uma criança (é claaaaro que eu usei de eufemismo, porque o que as pessoas costumam dizer é um pouco pior ¬¬’’), e considero isso um elogio. Uma criança tem preservada sua inocência e consegue achar diversão em qualquer lugar, com qualquer coisa e ter risos ou sorrisos garantidos num simples gesto... O que quero dizer é que, mesmo “crescidos”, não devemos perder esse jeito de levar a vida, e sim, sempre resguardar um pouco do “Ser criança”... É claro que não temos mais como manter a inocência de criança (não sou um ser TÃO pecaminoso, juro !), mas manter o riso espontâneo, assim como as ações, se divertir sem depender de grandes atos, dar asas à imaginação e se permitir viajar nela... É inevitável nos esquecer de nossas tarefas ou nossos problemas, mas que tal se dividíssemos essa vida adulta com a infância, e vez por outra, trazer novamente aquela diversão, aquela leveza e o pensamento de que tudo se resolve num piscar de olhos... Àquela época em que suas preocupações eram banais, como puxar um Band-Aid, apagar a luz e voltar correndo pro monstro não te pegar, ou até mesmo o terrível medo de se perder da mãe no supermercado (tá, eu fico apavorada com isso até hoje o.O). Manter as preocupações não vai nos levar a nada se ficarmos concentrados somente nelas. Voltemos à ser crianças às vezes... Rir, nos divertir, zoar por motivos que passam despercebidos, recuperar as brincadeiras e felicitar-se com a simplicidade da vida.



Bom, acho que é isso. Tudo bem que, depois dessa, todo mundo vai me ver mais ainda como um “Alien”, mas espero que tenham gostado e que se identifiquem com a dica que eu dei.



Beijos e abraços.



Dani.




Lindo né pessoal? Ri muito com a história da Dani, mas me emocionei muito também. Adorei a forma como ela contou.

E não deixem de acompanhar as próximas histórias ok? Ainda tem lindas história por virem. 

Beijosss

7 comentários:

  1. Que graça! *-* Pena que cresce...
    O melhor da infância da Dani está guardado com a Lena: os vídeos! ;)

    ResponderExcluir
  2. Criou amigos imaginários? kkkkkkkkkkkkkkkkkk
    doida kkkkkkk
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Fer essa coluna é ótima! Só não mandei meus relatos, porque não tenho uma foto de qdo era pequena. Ficaram todas na casa da mamis rs.
    Beijos e parabéns pela criativadade!
    aculpaedosleitores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Bia.

      Ha Bia não tem problema... mas eu ia amar ler seu depoimento rs.

      Linda é sempre um prazer receber um elogio vindo de alguém com um blog tão cheio de criatividade.

      Beijosss
      Fer

      Excluir
  4. Muito divertido acompanhar esse especial. A Dani tem uma veia cômica em suas palavras, me divertir muito lendo seu texto. Parabéns e linda a mensagem final!!!

    ResponderExcluir
  5. A Dani é ótima. Doidinha total, mas é muito fofa.

    Que bom que gostou.

    Beijosss Fer

    ResponderExcluir