{Resenha} Jogada Mortal de Harlan Coben

Depois de ver sua carreira no basquete profissional chegar ao fim antes mesmo de começar, Myron Bolitar trabalhou para o FBI, formou-se em direito em Harvard e hoje está à frente de uma agência de representações esportivas, que toca com a ajuda da grande amiga Esperanza.
Tudo parece ir bem até que Valerie Simpson, uma tenista que já foi a maior promessa do esporte, é morta durante um jogo do Aberto dos Estados Unidos. Ao que tudo indica, a jovem estava lá em busca de Myron, mas foi encontrada antes pelo assassino.

Myron não imagina por que Valerie foi atrás dele, mas se sente culpado por não tê-la encontrado a tempo. Para piorar, seu cliente mais importante, o tenista Duane Richwood, se torna o principal suspeito do crime.

Em busca da verdade, Myron descobre que a jovem vinha sendo assediada por um fã obcecado desde o início da carreira. Além disso, seis anos antes, ela estava prestes a ficar noiva do filho de um senador quando o rapaz foi morto sob estranhas circunstâncias.

Enquanto tenta desvendar o assassinato da tenista, Myron se tornará um obstáculo para os interesses da máfia, de um político poderoso e de uma família influente. Agora ele e as pessoas que mais ama podem ser as próximas vítimas.

Arqueiro * 2012 * 255 páginas * Classificação: 5/5




Eu sou sempre suspeita a falar de um livro do Coben, afinal eu amo ele de paixão, desde que infelizmente Sheldon se foi, Coben ocupou o lugar de queridinho para os meus livros policias. Mas vejam bem Sheldon ainda está no meu coração, seus livros com certeza serão eternizados.

Em Jogada Mortal o segundo livro da série Myron Bolitar, Coben já nos envolve na ação logo nas primeiras páginas.

Valerie Simpson foi uma grande tenista, já aos 16 anos, mas algo misterioso em torno de uma grande tragédia pôs fim a sua próspera carreira.
Anos depois ela tenta voltar, e deseja que Myron seja seu agente, mas o que Myron não esperava era que Valerie fosse morta antes de qualquer negociação, e como se as coisas não fossem já ruins o bastante, o principal suspeito do crime é Duane Richwood, o cliente mais famoso de Myron.
Apesar de Duane estar na quadra na hora do assassinato as coisas se tornam muito estranhas e como Myron não consegue deixar as coisas como estão, sai em busca da verdade.
O que ele não esperava era que podia não gostar das coisas que iria descobrir.
Verdades encobertas, pessoas que não são quem dizem ser, perigo de morte a todo instante. Um passado cheio de dor que volta a tona. Tragédias que não tem explicação.

Como sempre em busca da verdade Myron tem a ajuda de seus inseparáveis amigos, Win e Esperanza. Que claro, Win é dono de meu coração, ele é tão intenso, e sabe se esconder tão bem atrás da fachada de mauricinho, que suas aparições são recheadas de ação e claro muitas risadas.

É isso que mais me cativa em Coben, ele consegue escrever uma história cheia de ação, suspense, mistério e com muitas pitadas de humor, nos momentos que não estou segurando a respiração de tanta tensão e ansiedade, estou dando muitas risadas.

Claro que o final foi surpreendente, eu já desisti de tentar desvendar alguns dos crimes em que Myron se envolve.

Apesar de ser o segundo livro da série, podemos lê-lo como se fosse único, que é o que eu faço sempre, já que os livros dele não foram lançados na ordem cronológica correta, mas isso não tira o entendimento sobre as histórias únicas, ficamos um pouco perdidos sim em relação a vida pessoa de Myron, mas com um pouco de esforço conseguimos sim compreender sua voda e de seus amigos.

Bem claro, que eu sempre indico para quem gosta do gênero os livros de Coben, seria impossível não gostar.

Então leiam, leiam, leiam. E não deixem de me contar se gostarão.

 

Eu com o lindo e super fofo Harlan Coben! O único ator internacional que fiz questão de conhecer na bienal e não me arrependi. De uma humildade e atenção com os fãs indescritível!


Beijos


2 comentários:

  1. Se eu te contar que nunca li nada do Coben vc acredita? Sei que é praticamente imperdoável, já que amo policiais e ele é o nome contemporâneo né? Sem contar que a Taty tem vários livros, que é só eu "raptar" e pronto kkkkk.
    Falta de tempo mesmo Fer, você sabe da minha coleção de livros não lidos e da minha correria, então nem posso pensar em furar a fila de leituras.
    Amei a resenha e fiquei com mais vontade ainda de ler (e furar a fila).
    Beijos
    aculpaedosleitores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ha Bia.

      É imperdoável mesmo, se você gosta de policiais e ainda não leu, eu mesma vou te bater kkkk, como pode isso? Eu AMO ele de paixão, ele e o Sheldon são eternos no meu coração rs.

      Mas eu sei como é, todos que tenho na estante quero ler, mas não sei como kkkk, e se ficar passando um e outro na frente acaba com nossa organização, mas não tem muito jeito, um sempre escapa rsrs.

      Beijosss Fer

      Excluir