{Especial} Mês Samanta Holtz - Dia 30: Entrevista com a Sam


E vocês estavam pensando que o especial iria acabar e não teríamos uma entrevista maravilhosa e exclusiva com nossa querida Sam?

Bem se enganaram. E aqui está. Para quem quer saber um pouco mais dessa incrível autora, essa pessoa super especial. Não pode perder a entrevista super linda que ela concedeu. 
Como sempre Samanta nos emociona com suas palavras e nos traz um sorriso no rosto, e uma alegria extraordinária a nosso coração. 

Então não percam essa super entrevista!



Samanta por Samanta. (fale um pouco sobre você)

É sempre difícil falarmos sobre nós mesmos! Minha visão sobre mim é um pouco do que sei, do que percebo e do que os outros me retratam. Sou uma pessoa muito otimista, gosto de sempre olhar o lado bom de qualquer situação e acreditar no melhor das pessoas. Acredito plenamente em Deus e sou profundamente grata por minha vida e por tudo o que Ele me proporciona nessa linda jornada, sejam os momentos bons, os difíceis, os obstáculos, as vitórias. Tudo faz parte do nosso aprendizado e evolução. Do mais, amo a natureza, os animais, a boa música (tenho muita facilidade para tocar, especialmente o violão, pena não ter mais tempo para ele!) e, claro, as histórias dos livros!


Como foi o seu primeiro contato com a literatura? Fale um pouco sobre a Samanta leitora.

Minhas leituras começaram na infância, quando minha mãe e minha irmã mais velha liam gibis do Maurício de Souza para mim. Eu ficava tão fascinada com aquelas histórias que chegou um momento em que ouvi-las já não era o suficiente; então, eu pegava os gibis e ficava ali tentando entender, ou inventar as falas em minha cabeça. Até que, um dia, aos cinco anos, percebi que estava conseguindo ler! A Turma da Mônica foi uma febre em casa por muitos anos comigo e com minhas irmãs; toda sexta, religiosamente, minha mãe nos levava à banca para comprarmos gibis novos. Era uma alegria!! Alguns anos mais tarde, quando eu tinha cerca de dez anos, lembro-me até hoje do primeiro romance que comprei, em uma Feira do Livro do colégio: “Meu Primeiro Namorado” e “Ensaio de um Beijo”, ambos da série “Meu Primeiro Amor”. Eu devorei aqueles livros, e foi quando começou minha paixão por romances, que dura até hoje!


De onde vem a inspiração para as histórias?

Não há um momento ou lugar para a inspiração acontecer. Hoje, mesmo, eu estava sentada na rodoviária esperando um ônibus e tive uma inspiração súbita ao bater os olhos em uma estante abandonada cheia de livros velhos. Já me veio à mente um personagem, uma história... ali, naquele lugar escuro e barulhento, apenas por ver um objeto. Então, não há segredos, fórmulas ou metodologias; o importante é estar sempre com o olhar atento a tudo o que nos rodeia, pois grandes inspirações podem estar escondidas onde menos esperamos!


Como surgiu a ideia para cada enredo criado por você?

Em complemento à resposta anterior: é muito difícil me lembrar! (risos) Sei que a ideia inicial de “O Pássaro” surgiu nas aulas de História do Ensino Médio, quando aprendíamos sobre o Feudalismo. Eu ficava tão encantada com aquele contexto da Idade Média, vassalos, senhores, que Caroline Mondevieu e Bernardo nasceram em minha imaginação quase sem que eu percebesse. Já meus outros dois livros, deve ter sido em algum momento inusitado do qual infelizmente não me lembro mais!


Você acha que os leitores se identificam com os personagens? Tem um pouco da Sam em algum personagem?

Sempre há uma identificação, seja com a história de vida deles, os sentimentos, a forma de pensar... o mágico dos livros é isso! A gente encontra pedaços de nós mesmos espalhados pelas páginas e os recolhe de volta, mesmo sem perceber. Quanto a mim, acredito que cada uma das minhas personagens tenha, sim, um pouco de mim. Durante o processo criativo, enquanto se escreve, dificilmente conseguimos nos desconectar 100%, especialmente quando a escrita é em primeira pessoa (que é o caso de Renascer de um Outono). De todo modo, se alguma característica minha tiver escapado para elas, não foi intencional, pois busco dar liberdade para todos os personagens serem quem são, desde os protagonistas até os secundários.


Como é se despedir dos personagens dos seus livros?

É bem melancólico! Encerrar um livro traz uma alegria, um êxtase, mas é acompanhado pelo olhar saudoso dos personagens, que acenam agradecendo pela forma como conduzimos suas jornadas e seus destinos. Porém, por mais que eu “me afaste” deles por um momento, a sensação que tenho é a de que eles estão vivos em algum plano, vivendo a continuação da jornada deles, pois meu livro retratou apenas um pedaço da vida deles. Como se alguém escolhesse um trecho da nossa vida para colocar em um livro, mas isso não significa que nossa existência se resumiu apenas àquele período!


Qual a dificuldade de se publicar um livro no Brasil?

A primeira delas é encontrar espaço nas boas editoras, pois, como empresas, elas estão atrás de produtos com potencial de grandes vendas, que são, claro, os autores renomados e já conhecidos. Desse modo, é difícil um autor iniciante encontrar espaço. E, quando consegue um contrato, existem muitas variações – editoras que cobram pela publicação, as que não cobram, as que colocam alguma cláusula complicada no contrato... o escritor fica perdido, e eu sei disso porque recebo muitas e muitas mensagens de novos autores sempre com os mesmos medos e dúvidas. Então, caso optem por uma publicação mais tímida ou de menor alcance, vem o desafio de conquistar o público leitor, divulgar e vender seus livros, conseguir distribuição em todo o território nacional e em grandes livrarias... existem barreiras em todos os lugares, para entrar na editora, na livraria, na estante do leitor e, por fim, no coração dele. Cada etapa é uma barreira ainda maior que a anterior, e é por isso que recomendo que trilhe esse caminho quem realmente ama escrever, para que esses desafios não representem desânimo, e sim garra!


Como você descreveria suas próprias histórias? 

Descreveria como histórias que mexem com a emoção e tocam o coração. Não digo isso por mim mesma, e sim com base nos vários feedbacks e resenhas já recebidos de leitores e blogueiros. A grande maioria comenta como meus livros os fez chorarem, pensarem, mudarem, agirem, e isso é maravilhoso, pois meu grande sonho sempre foi que, através das minhas palavras, eu conseguisse fazer a diferença na vida das pessoas.


Todos nós percebemos o quão unida e linda é sua família. Eles lhe ajudam com os enredos das histórias dando ideias? Ou até mesmo servem de inspiração para elas?

Sou abençoada pela família maravilhosa que possuo! Nós nos amamos muito e fico emocionada sempre que vejo o quanto eles torcem verdadeiramente por mim e me apoiam na busca por meus sonhos. Eles praticamente embarcam ao meu lado e sonham junto! (risos) Quanto à inspiração para histórias, eu evito associar personagens ou fatos a pessoas do meu convívio porque isso pode limitar o processo criativo. Personagens e histórias, como mencionei em outra pergunta anterior, precisam ser 100% livres do mundo real para que o autor tenha essa liberdade na hora de criar, moldar e mudar. Quanto a ideias, minha irmã Tati foi responsável por uma grande ideia que, se Deus permitir, será um dos meus próximos livros lançados! (já comecei a trabalhar nele...) 


Como lida com as críticas?

Para mim, toda crítica é muito bem-vinda, pois, seja ela negativa ou positiva, significa, em primeiro lugar, que aquela pessoa reservou uma parte do seu tempo para ler meu trabalho e mais um pouco para expressar como o livro a fez se sentir e o que achou da história. Aproveito cada comentário, cada sugestão, cada elogio, cada reclamação para entender onde estou acertando e onde preciso melhorar. Claro, existem pessoas menos generosas que escrevem algo no único intuito de magoar ou causar uma polêmica, porém eu não lido com elas de forma menos gentil e atenciosa do que com as demais. Afinal, muita gente só age desse jeito porque os outros agem assim com elas... e, mesmo se eu receber uma mensagem grosseira (o que, graças a Deus, é extremamente raro), gosto de fazê-las compreenderem que a gentileza é a forma mais eficiente de se moldar e transmitir uma mensagem.


Alguns escritores gostam de se inspirar em músicas, ou até mesmo ouvi-las enquanto escrevem. Você tem playlist’s ou músicas que lhe inspiraram ao escrever suas histórias? Quais são elas e de que livros fazem parte?

Sim, música ajuda muuuuito na criação. Normalmente, deixo meu canal do Deezer tocando músicas aleatórias ou o CD de um artista de que gosto (de preferência, instrumental). Acontece muito de eu estar escrevendo uma cena e a música combinar tanto com ela que eu a fico repetindo até terminar de escrever! O que também acontece é, às vezes, quando vou começar uma cena, já idealizar uma música que combina com ela e deixar essa música tocando enquanto escrevo ou reviso a cena, pois ajuda a “entrar no clima”. Tenho várias músicas para cada um dos meus livros, e meus artistas favoritos são Yanni, Paul Cardall, Tim Janis, Yiruma, Era, The Piano Guys... algumas músicas que ouvi exaustivamente na construção de algumas cenas tristes de “Renascer de um Outono” foram “Redeemer”, do Paul Cardall, e “I Believe”, do Era.


Conte-nos um pouco sobre seus próximos projetos literários. Tem planos de tentar outros gêneros?

Estou aguardando para definir a publicação do meu próximo livro e, em breve, teremos boas novidades! Quanto a outros gêneros, por ora, pretendo me manter no romance, mas os próximos livros terão algumas passagens bem diferentes daquelas que meus leitores já estão acostumados. Mal posso esperar para saber o que vão achar!


E se suas histórias virassem filme? Qual seria o Elenco dos Sonhos para cada livro?

Aaaaah, seria um sonho se virassem filmes! Em meus devaneios, já vi o rosto dos meus personagens em alguns atores brasileiros e estrangeiros. Caroline Mondevieu (de O Pássaro) poderia ser interpretada por Natalie Portman. Acho que combinaria bem com Liam Hemsworth fazendo o papel de Bernardo, não? Mas só se ele deixar a barba crescidinha... (risos) Amelie Wood (Quero Ser Beth Levitt), sempre a imaginei muito parecida com a Taylor Swift (em sua fase mais romântica, não muito agora). Ricardo Frenzier (Renascer de um Outono), quando escrevi, foi bastante inspirado no Freddie Prinze Jr., e também vejo traços dele no Adam Levine. Ah, é tanta gente!!! 


Quais são os sonhos da Samanta?

Tenho tantos sonhos! Um deles é tornar-me uma escritora reconhecida internacionalmente. Seria fantástico, o máximo! Saber que meu livro é lido em diversos países, diversos idiomas, e que minhas palavras agora alcançam muito mais longe. Outro grande sonho é ver meus livros adaptados para o cinema ou teatro. Eu tive a experiência, quando mais nova, de escrever uma peça de teatro para uma escola e me lembro até hoje da emoção em ver minhas ideias e personagens concretizados ali, em pessoas, falas, fazendo o público rir nos momentos em que eu tive essa intenção. Imaginar isso acontecendo em uma escala muito maior emociona só de pensar! E tenho muita fé de que ainda viverei todas essas emoções.


Que mensagem de incentivo você deixaria para quem está começando?

Em primeiro lugar, faça-se uma pergunta importante: “Por que estou escrevendo?”. Se a resposta tiver qualquer coisa a ver com números ou resultados rápidos, pare agora e revise suas expectativas. Em primeiro lugar, seus objetivos com a escrita devem estar além dos resultados; mantenha seu foco no leitor, no impacto das suas palavras na sua vida e na vida de mais alguém. É isso que lhe dará forças para encarar e vencer o tempo, a espera, os obstáculos, os “nãos”... E, quando esses obstáculos aparecerem, não veja como muralhas que o cercam, mas uma muralha que você é plenamente capaz de contornar com sua capacidade e trabalho árduo. A publicação talvez não venha no primeiro livro (assim como aconteceu comigo, que comecei a publicar com meu terceiro livro escrito), mas quem disse que isso é sinal para parar de escrever e desistir? Você vai melhorar a cada livro, então, se é isso mesmo o que quer, continue! Estude, trabalhe, tenha seu “plano B”, é claro. Mas mantenha a escrita ali, em paralelo, pois seu dia chegará. Desde que você esteja preparado para isso!


Deixe um recado para todos os fãs e leitores.

Meus queridos... quando penso em vocês, a primeira palavra que me vem à mente é sempre “obrigada”. Nunca me canso de agradecer por tudo o que vocês me fazem sentir, tudo o que são e representam em minha vida, o apoio, o carinho, a presença nos eventos, as mensagens... Obrigada por acompanharem meu trabalho e por me seguirem literalmente aonde eu for. Obrigada por dedicarem tanto amor a mim! Espero que consigam sentir o quanto esse amor é recíproco em meu coração por cada um de vocês. Vocês são os melhores!


E ai gostaram né?

Bem pessoal nosso especial infelizmente chega ao fim. Mas só o especial. O carinho e a admiração que temos pela Sam esse não acaba nunca. E sempre tem mais!

Gostaríamos de agradecer novamente a todos os envolvidos, a todos aqueles que participaram desse especial com tanto carinho, com tanto empenho e dedicação.

A todos os lindos e lindas que aceitaram com muito alegria disponibilizar seus depoimentos sobre os livros da Sam.

As "loucas" Lu, Ana, Joi, Mari e Van, que incansáveis ajudaram horas e horas a fio para conseguir idealizar os posts de Elenco de Sonhos e Playlist's, correram atrás para corrigir "erros", e tem o dom das palavras de conforto nas horas de desespero rs. A Ceci por sua resenha linda e estar sempre pronta a ajudar, assim como a louca Jess. 

A todos os blogueiros e blogueiras que aceitaram participar desse especial, nos ajudando assim a divulgar cada vez mais nossa querida escritora e suas obras mais que especiais. 

A todos os fãs, amigos e familiares de nossa amada Sam, que também mais uma vez não hesitaram em participar com seus depoimentos, fotos, vídeos. Enviando todo o carinho e amor a Sam.

A linda Nete Holtz, que participou lindamente de nosso especial e também sempre com uma gentileza sem tamanhos (isso é bem de família rs).

A Tatiana Holtz, que mais uma vez, com toda atenção, toda gentileza e simpatia nos ajudou em mais essa surpresa para a Sam. Sempre com um sorriso no rosto e disposta para que tudo saia sempre lindo. Fica até difícil agradecer aquela, que trabalhou e muito para que esse especial acontecesse. Como não lembrar do dia em que ao invés de descansar, ela ficou correndo atrás dos vídeos "perdidos" rs, acalmando uma louca desesperada com a tecnologia. Você Taty com certeza tem nosso imenso carinho, e sim nós somos seus fãs também.

E claro, a nossa querida e amada Samanta Holtz. Afinal se o especial foi idealizado, foi para que mais uma vez pudéssemos enviar a ela todo nosso carinho, admiração e agradecimento. Pois ela enche nossa vida de amor, de alegria. Nos ensina muitas lições, principalmente, como nos esforçarmos para conservar o coração puro. Então mais uma vez, gostaríamos de dizer e demonstrar, de uma forma simples sabemos, o quanto a pessoa, o quanto a autora, são importantes, muito importantes para todos nós. E que seremos eternamente "Loucos por Samanta Holtz". 

Esperamos de todo coração que vocês tenham gostado e apreciado o especial. 

Um beijo enorme no coração de todos!




2 comentários:

  1. Ahhhh, Fer!!!

    Que lindas palavras para encerrar esse #Especial mais que especial..!

    Obrigada por postar a entrevista e pelo depoimento no final do post! Vocês são incrivelmente importantes, únicos e especiais em meu coração... e receber esse mês inteiro de homenagens e surpresas foi surreal, acho que não acredito até agora (kkkkk!)...

    Obrigada por tanto amor, tanto carinho! Obrigada a todos que participaram de uma forma ou outra... vocês moram em meu coração!

    Com todo o amor do mundo,
    Sam

    ResponderExcluir
  2. Sempre é bom saber mais da autora, especialmente quando é nossa querida Sam <3
    Foi um especial muito especial!
    Além disso, tudo que envolve a Samanta Holtz fica emocionante, cada palavra.

    Fer Gêmea, obrigada por me dar a chance de participar do especial, do blog e da sua vida! *love

    ResponderExcluir