{Resenha} A Escolhida de Amanda Ághata Costa

Em uma cidade repleta de pessoas desconhecidas, Ari poderia ser apenas mais uma garota dispersa na multidão, como tantas outras que foram abandonadas pelos pais desde a infância. Devido à sua aparente doçura e beleza, ninguém seria capaz de supor que, além de um anjo, ela também é um demônio com sede de poder. Os espertos deveriam manter-se distantes, mas há olhares que não deixam de admirá-la. Egran não desperdiçaria a chance de apoderar-se de habilidades tão interessantes: ela é a escolha perfeita. Entretanto, nem todos se sentem realizados. O círculo seria um refúgio ideal para os demais feiticeiros, se o próprio líder não os tratasse como marionetes descartáveis. Movidos pelo medo e controlados pelo mestre, os componentes do grupo obedecem, sem pestanejar, às ordens recebidas. Ao se ver arrastada para lá, Ari se encontra diante de situações improváveis, arriscando-se a expor mais do que gostaria. Para ela, sentir é algo que sempre esteve fora de seus limites. Não poderia vivenciar qualquer forma de emoção, esta era a promessa. Até que Luke surge em seu caminho e abala as estruturas congeladas, derretendo-as e modelando novos conceitos. O amor realmente fará brotar a alegria? Ou irá arrastá-la diretamente para a morte? O passado obscuro de Ari será o suficiente para fazê-la estilhaçar de uma vez por todas, não restando oportunidades para uma nova tentativa de se isolar do mundo

Publicação Independente  * 2015 * 357 páginas * Classificação: 4/5





A Ari é o tipo de garota que gosta da solidão. Ela esconde dentro de si algo muito obscuro, um sentimento negro. Uma vontade enorme de matar. Ela tenta viver sem chamar muita atenção, matando sua sede de sangue sempre que possível. Ela vive para matar. 


“Não tenho uma família, nem imagino de onde venho. Matar é o meu maior desejo e o único que não deixo de colocar em pratica. O odor de vida se esvaindo através de meus dedos é a sensação mais intensa que vivencio.” 


Ela nunca acreditou no amor, até porque nunca conheceu esse sentimento. Ela foi abandonada por seus pais desde nova, o que fez com que seu ódio pelo mundo fosse ainda maior. 


O que ela não sabia era que um feiticeiro esperava ansiosamente para ter Ari ao seu lado, podendo usar de seus poderes, e de sua sede se sangue. Tudo o que ela menos queria era se aliar a um circulo de feiticeiros que ela abomina. 


Mas o destino é imprevisível e Ari conhece um feiticeiro que ira mudar algo dentro dela. Mesmo que ela ainda não compreenda que tipo de sentimento é esse. 

Luke é um feiticeiro do bem. Ele é carinhoso, bondoso e protege a todos que ama. Ele se sente fascinado por Ari logo de cara. Mas, Ari se mostra irredutível em abrir seu coração. 


“falar sobre a paz é totalmente embaraçoso, porque para alguns, ela se resume a um beijo ou um abraço. Ohar as estrelas, escutar as ondas quebrarem-se na encosta. Para Luke, uma simples caminhada até o jardim é capaz de resolver seus temores. Já a minha paz sempre foi encontrada no ultimo suspiro, no ultimo olhar, nos últimos instantes da própria paz do outro. As nossas semelhanças são mínimas e, quando colocadas frente a frente, me fazem perceber o quanto não sirvo para estar entre eles.” 


Até quando isso poderá durar? 

O que ela não esperava era que esse novo mundo leva-la ia por um caminho sem volta. Um caminho com sentimentos, para Ari, antes improváveis e até que ela abominava. Sua paixão por Luke pode ser algo ainda mais perigoso que enfrentar o temido Egran. 

Em um conflito de sentimentos que mesclam amor, amizade, perdão, medo e o temível desconhecido, Ari vai ver sua vida mudando diante de si, sem ter o controle que antes ela tinha sobre seu coração e sobre sua vida. 


“-Não se molda o destino, menina. É impossovel mudar o curso de dois rios quando ambos são feitos para desaguar em um so lugar.” 


Quando Ari começa a baixar um pouco as barreiras em torno dela, e algumas pessoas conseguem entrar em seu coração, eis que uma tragédia fará com que novamente Ari se feche em seu mundo. 



“Não adianta procurar por ar se voce esta no fundo do oceano, afundando cada vez mais. Basta aceitar o que isso é. A ilusão não ajuda. Geralmente ela atrai ainda mais desgraças.” 


Confesso que Ari foi uma personagem que me deixou transtornada. Nossa! Amanda criou uma personagem para despertar o ódio dentro de nós. Mas foi só Luke aparecer, com todo seu olhar profundo e vendo o que estava escondido nas profundezas do ser de Ari, para que eu pudesse também ver o mesmo. 

Confesso que no começo achei a leitura um pouco lenta. De certa forma, um pouco foi porque infelizmente iniciei a leitura em uma época péssima e precisei largar o livros por diversos momentos. 

Mas quando realmente me dediquei á leitura o desenvolvimento do livro aconteceu. 

O mais interessante é que fora Luke, não podemos confiar em nenhum personagem, por um bom tempo nem mesmo na própria Ari. E esse foi para mim um dos pontos altos do enredo. 


O livro é cheio de mistérios e a cada página é uma nova surpresa, um novo suspense e nunca sabemos o que vamos encontrar. 

Uma das características da escrita de Amanda é trabalhar muito bem a narrativa pelos olhos de Ari. Algumas pontas ficam soltas e nos vemos confusos, mas isso nada mais é que exatamente o ponto de vista da própria Ari. Afinal o desconhecido e o pavor pelo novo são constantes em sua vida. 

Aos poucos seu coração vai amolecendo e ela percebe que a solidão nunca foi boa. Nunca foi uma opção. 

O final claro, nos deixa ansiosos pela continuação e com medo do que vamos encontrar e de tudo o que Ari, Luke e sua turma de amigos tem para enfrentar. 

A capa é linda. Tem quem diga que parece ser a própria Amanda retratada na capa rs, afinal as duas são lindas. E a diagramação é de um zelo impressionante. Páginas amareladas e letras grandes. Toques muito confortáveis para a leitura. 

Com certeza uma leitura para quem ama fantasia, principalmente aquelas que o desconhecido, o novo, e a mescla de seres são totalmente presentes no enredo.


Beijosss















2 comentários:

  1. Fê, querida! Já te falei o quanto fiquei feliz com sua opinião sobre a história, mas vale ressaltar que realmente estou satisfeita por saber que a Ari despertou tantos sentimentos em você. Luke é, de fato, o favorito e não tem como amá-lo menos <3 Obrigada por sua crítica sincera e espero que goste tantos dos outros volumes quanto gostou desse. Grande beijo!

    ResponderExcluir