{Especial Romance} Dia 13: Dicas de Filmes e Livros de Amor por Helena Andrade



Todo dia é dia de curtir um momento super gostoso ao lado daquela pessoa especial.
Seja deitado em uma rede lendo um bom livro, seja deitadinho no sofá curtindo um filme super romântico.

Então vamos aproveitar as dicas de Helena Andrade!

Helena Andrade

O blog Mato por Livros me fez um convite para indicar alguns filmes para o dia dos namorados, e como minhas grandes paixões são a literatura e o cinema, ou seja, a sexta e a sétima arte, eu não poderia deixar de compartilhar alguns dos que me fizeram refletir sobre como AMAR VALE A PENA, independente dos obstáculos ou dificuldades para viver um grande amor. 

Minha pequena seleção, confesso que gostaria de falar sobre mais filmes, foi baseada em livros, pois, não sei vocês, mas acho que estes são os melhores. 

Então, vamos lá:


Baseado no livro homônimo de Milan Kundera, o que mais me chamou a atenção neste filme foi como o amor verdadeiro pode transformar comportamentos e trazer-nos a paz oculta no recôndito da alma, independente do lugar em que estejamos vivendo. 

Com atuação sublime de Juliette Binoche e Daniel Day-Lewis, vale a pena pegar uma pipoquinha, ou uma taça de vinho, e degustar este romance avassalador e “diferente” com a pessoa amada. 

“Nos anos 60 em Praga, Tchecoslováquia, Tomas (Daniel Day-Lewis), um médico totalmente apolítico, tem como hobby ter diversas parceiras sexuais, mas evitando sempre um maior envolvimento. Mas duas mulheres: Sabina (Lena Olin), uma artista plástica, e Tereza (Juliette Binoche), uma garçonete que sonha em ser fotógrafa, vão estar muito presentes na vida dele. Mas ao 
serem atingidos pelos acontecimentos de 1968, conhecido como "A Primavera de Praga", quando tanques soviéticos invadiram a capital tcheca para pôr fim a uma série de protestos, a vida deste triângulo amoroso é afetada, pois seus sonhos foram destruídos e suas vidas mudariam para sempre.”




A Mulher do Viajante do Tempo de Audrey Niffenegguer foi o livro que inspirou 
este belo filme.  

Sabe aquele momento em que você está prestes a beijar a pessoa amada, 
fecha seus olhos e espera o toque dos lábios acontecer, e espera, espera, 
espera e nada. Abre os olhos e ele desapareceu. Bem, esta poderia também 
ser uma cena perfeita neste filme. “As coisas parecem simples até pensarmos 
nelas. Por que a ausência intensifica o amor?”.  

Vale a pena cada minuto assistindo a este belo romance que ultrapassa as 
barreiras do tempo.

“Henry DeTamble (Eric Bana) conheceu Clare Abshire (Rachel McAdams) quando tinha apenas 6 anos, em um campo perto da casa de seus pais. Logo eles se tornaram grandes amigos, avançando para confidentes e depois amantes. Só que há um problema: o futuro de Clare é o passado de Henry. Ele é um viajante do tempo, devido a uma modificação genética rara que o faz levar a vida sem saber em que época estará. O fato de Henry conhecer o futuro sempre incomodou Clare, mas agora a situação se inverteu. Quando Henry volta no tempo para encontrar Clare aos 6 anos, é ela que, em sua fase adulta, sabe qual será o futuro de seu amado.”




Adoro também as comédias românticas, e algumas, além de me fazer rir, também me fazem suspirar. 

Este é o caso deste filme. Com toques sutis de armações do destino, o filme é leve e faz o coração se comprimir no peito com algumas cenas. Outro filme que segue a mesma linha, que assisti há pouco, é “Se eu ficar”. Ambos são incríveis, mas o baseado no livro de Marc Levy me conquistou pela improbabilidade e intensidade com que o amor acontece, unindo fantasia e realidade. Dizem que o livro supera, e muito, o filme e isso me deixou com uma vontade louca de conhecer a escrita do autor, só que agora foco no filme. 

Então aproveitem porque vale muito a pena! 

“David Abbott (Mark Ruffalo) alugou recentemente um belo apartamento em San Francisco. A última coisa que ele gostaria era dividi-lo com alguém, mas logo surge uma jovem bonita e controladora, chamada Elizabeth (Reese Witherspoon), que insiste que o apartamento é seu. David imagina que houve um grande mal entendido, até Elizabeth simplesmente desaparece. Ele muda a fechadura de casa mas isto não impede que Elizabeth ressurja, sempre aparecendo e sumindo como se fosse em um passe de mágica. David fica então convencido de que Elizabeth é um fantasma e passa a tentar ajudá-la a passar para o "outro lado" do pós-vida. Só que ela está convencida de que também está viva e se recusa a fazer qualquer travessia.”




Jane Austin, de fato, me faz suspirar...ah...e as adaptações de suas obras para o cinema também. Orgulho e Preconceito é um filme que tem o poder de me transportar para os campos ingleses do final do século XVIII e viver o romance de Elizabeth e mister Darcy. 

“Você enfeitiçou meu corpo e minha alma.” 

“Inglaterra, 1797. As cinco irmãs Bennet - Elizabeth (Keira Knightley), Jane (Rosamund Pike), Lydia (Jena Malone), Mary (Talulah Riley) e Kitty (Carey Mulligan) - foram criadas por uma mãe (Brenda Blethyn) que tinha fixação em lhes encontrar maridos que garantissem seu futuro. Porém Elizabeth deseja ter uma vida mais ampla do que apenas se dedicar ao marido, sendo apoiada pelo pai (Donald Sutherland). Quando o sr. Bingley (Simon Woods), um solteiro rico, passa a morar em uma mansão vizinha, as irmãs logo ficam agitadas. Jane logo parece que conquistará o coração do novo vizinho, enquanto que Elizabeth conhece o bonito e esnobe sr. Darcy (Matthew Macfadyen). Os encontros entre Elizabeth e Darcy passam a ser cada vez mais constantes, apesar deles sempre discutirem.”




O livro de Liev Tolstói retrata o tórrido romance entre Anna e o Conde Vronski, 
tendo como pano de fundo a aristocracia russa do século XIX. A história já teve 
várias adaptações para o cinema e destas já assisti a duas. Uma lançada em 
1997 que, na minha opinião, reproduz com supremacia a história do livro, e a 
mais recente, 2012, com Keira Knightley. 

As principais mensagens que ficaram para mim da história foi a de que não se 
constrói a felicidade sobre a infelicidade do outro, e que o amor não supera 
algumas barreiras, em especial as morais, sem causar extremos sofrimentos.

 “Século XIX. Anna Karenina (Keira Knightley) é casada com Alexei Karenin (Jude Law), um rico funcionário do governo. Ao viajar para consolar a cunhada, que vive uma crise no casamento devido à infidelidade do marido, ela conhece o conde Vronsky (Aaron Johnson), que passa a cortejá-la. Apesar da atração que sente, Anna o repele e decide voltar para sua cidade. Entretanto, Vronsky a encontra na estação do trem, onde confessa seu amor. Anna resolve se separar de Karenin, só que o marido se recusa a lhe conceder o divórcio e ainda a impede de ver o filho deles.”

Espero que tenham gostado destas sugestões e que busquem apreciar uma ou mais destas incríveis produções, de preferência a dois, e se não for possível, que seja só, porque tenho certeza que elas estimularão seus sonhos.

Helena


Como podem ver, são histórias para mexer com nosso coração. Histórias de pessoas que lutaram para ficarem juntas, muitas deixaram de lado um pouco de si mesmas para viver o amor. 
Se gostam de histórias assim com certeza vão apreciar e se emocionar com a história criada por Helena.

“Mergulhei, senti a sensação em todo meu corpo. Emergi, olhei na direção onde o deixei. Ele continuava no mesmo lugar, me olhando. Estendi minhas mãos e o convidei a vir comigo.” Lívia não podia imaginar as mudanças que aconteceriam em sua vida. Mudanças que a despertariam para uma nova perspectiva profissional, para uma nova visão de mundo... e para um grande amor. Acompanhe esta trajetória emocionante em Despertar!

SKOOB







Participação da linda antologia que fala sobre Amizade:

Ah, a amizade, este relacionamento que encanta, decepciona, causa conflitos, inspira e faz transbordar de alegria nosso coração. É o alicerce que nos ampara e nos desestrutura, vínculo profundo e incerto. Difícil é defini-la em palavras, mas impossível viver sem ela.

SKOOB









Gostaram? Então não deixem de conhecer essas incríveis histórias. Principalmente Despertar uma linda e emocionante história. 

Beijosss





5 comentários:

  1. Amo Orgulho e Preconceito, vejo quase toda semana, sério mesmo...tem no Netflix...não me canso de assistir
    Se fosse verdade eu quero ler o livro que dizem ser um pouco diferente do filme, mas também é meu queridinho do coração ♥
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Nanda, querida! Obrigada pelo post. AMEI falar sobre o assunto!

    Beijos e SUCESSO!!!

    ResponderExcluir
  3. Obaaaaaaa! Amei conhecer um pouco mais da querida Helena, preciso ver esses filmes... :)
    Beijo, beijoooo!
    She

    ResponderExcluir
  4. Nada melhor do que assistir um filme com o seu amor! Dessas dicas eu já tinha assistido Orgulho e Preconceito e E se fosse verdade, agora os outros estão anotados para a próxima sessão! Obrigada pelas dicas!
    Bjos
    Lú Santana

    ResponderExcluir
  5. Os meus favoritos desse top é The time travelers wife e Pride and Prejudice! Nem preciso dizer o porque né?
    A rachel mcadams é minha atriz favorita e meu deus... COMO EU CHORO NESSE FILME, ainda não li o livro e espero que seja tão bonita quanto o filme!
    A Keira Knightley é uma atriz maravilhosa, aprovo a atuação dela tanto em Anna Karenina quanto em Orgulho e preconceito, então, ótimas escolhas! Sobre os livros, não li ainda o anna karenina, mas está na minha lista porque eu AMO clássicos <3

    http://eraumavezlivrosecia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir