{Resenha} Neve na Primavera de Sarah Jio

Seattle, 1933. Vera Ray dá um beijo no pequeno Daniel e, mesmo contrariada, sai para trabalhar. Ela odeia o turno da noite, mas o emprego de camareira no hotel garante o sustento de seu filho.
Na manhã seguinte, o dia 2 de maio, uma nevasca desaba sobre a cidade.
Vera se apressa para chegar em casa antes de Daniel acordar, mas encontra vazia a cama do menino. O ursinho de pelúcia está jogado na rua, esquecido sobre a neve.
Na Seattle do nosso tempo, a repórter Claire Aldridge é despertada por uma tempestade de neve fora de época. O dia é 2 de maio. Designada para escrever sobre esse fenômeno, que acontece pela segunda vez em setenta anos,
Claire se interessa pelo caso do desaparecimento de Daniel Ray, que permanece sem solução, e promete a si mesma chegar à verdade. Ela descobrirá, também, que está mais próxima de Vera do que imaginava.


Novo Conceito * 2015 * 333 páginas * Classificação 5/5






Duas histórias. Muitas vidas. Um destino.

Seattle, 1º de maio de 1933.
Inverno das amoras-pretas. Uma grande nevasca fora de época. Época da Grande Depressão.
Vera Ray é uma das pessoas que vive e sofre dessa época em suas formas mais cruéis.
Mãe solteira do pequeno Daniel, Vera precisa deixar seu pequeno filho sozinho em seu apartamento, para que possa trabalhar e tentar ao menos não morrer de fome.
Até que na madrugada de 2 de maio, quando teve inicio a grande nevasca, Vera retorna para sua casa e não encontra seu filho...

Mais de 70 anos depois. No mesmo dia um grande acontecimento toma conta novamente das ruas de Seattle. O inverno das amoras-pretas está de volta.
Aquela nevasca parece expressar bem como está a alma e o coração de Claire.
Um ano atrás sua vida era perfeita, um bom casamento, amigos e um trabalho que ama. Mas um acidente tirou dela toda a energia e vontade de viver.
Seu casamento está cada vez pior, ela se isola de todos, e sua carreira já não é nada promissora.
Até que um artigo antigo, mais precisamente de 77 anos atrás, sobre o desaparecimento de um garotinho chama sua atenção.
O garotinho é Daniel Ray.

A partir desse momento a vida de Claire irá ganhar um novo significado, e tudo o que ela quer é descobrir que fim levou esse trágico acontecimento.

A história é narrada distintamente em duas épocas e histórias diferentes.
Na Seattle de 1933, pela busca desesperada de Vera Ray pelo seu pequeno bebê.
E na Seattle atual, por Claire em sua busca pela verdade sobre esse caso, e por se auto encontrar e tentar novamente encontrar a sua felicidade.

Em ambas narrações descobrimos a dor e a força de duas mulheres em busca daquilo que mais amam.

Vera foi uma mulher que poucos motivos tinha para ser feliz e quando perdeu seu pequeno Daniel o mundo perdeu todo o seu significado. Mesmo assim ela se manteve em pé, pois havia a esperança em seu coração de que encontraria seu filho.
Ela fez tudo o que podia, chegou até mesmo ao fundo do poço em busca de seu filho.
Acompanhar a trajetória e história de Vera não foi fácil. Foi doloroso, cada passo dado em vão, cada busca infrutífera, cada ato que ela cometeu para tentar encontrar seu filho é como se uma ferida fosse aberta em nosso coração.
Não é difícil imaginar a dor de uma mãe ao perder seu filho. A dor de Vera era sentida por mim, cada lágrima que ela derramou em meus olhos havia uma compartilhando com ela daquele momento. E junto com ela compartilhava também a esperança de que a qualquer momento, ela teria Daniel em seus braços.

Nos capítulos de Claire, ansiávamos para que ela encontrasse a verdade, principalmente se aquilo fosse o antídoto para sua própria dor, para sua própria perda.
Cada pista, cada resposta que Claire encontrava nos fazia chegar mais um pouco perto da verdade.

Com certeza é uma leitura que me emocionou do começo ao fim. Consegui acompanhar a trajetória de cada uma dessas mulheres como se eu estivesse ali ao lado delas, em uma viagem no tempo que ora me levava para 1933, ora me trazia de volta para 2010. A cada momento acompanhando cada lágrima e cada descoberta dessas duas mulheres em busca de uma única verdade.

A autora é perfeita, escreve de uma forma envolvente que fica impossível largar o livro enquanto não terminamos a leitura, enquanto não descobrimos toda a verdade. Perfeito para quem não tem medo de chorar, de sentir, de se emocionar e principalmente para quem está disposto a chegar ao final dessa história e descobrir toda a verdade.

O final com certeza me deixou fascinada e emocionada. O destino muitas vezes nos prega peças difíceis de acreditar.


Eu recomendo a leitura a todos. Principalmente para aqueles que adoram um drama real. Afinal infelizmente esse tipo de dor, sabemos que é real para muitas famílias. Muitas mães passam a vida em busca de seus filhos, sem muitas vezes encontrarem nenhuma resposta. É um livro que nos faz sofrer, mas nos faz acreditar, ter esperanças, fé e acreditar que em algum momento, vamos ter a paz que nosso coração tanto espera. E claro para quem gosta de uma boa dose de mistério e investigação também não pode perder essa leitura envolvente.


Beijossss




9 comentários:

  1. Nossa Fer, como sempre vc consegue nos envolver com sua narrativa e claro, mesmo não sendo fã de drama, fiquei com vontade de conhecer essa historia. Mais um para a lista!
    Bjos
    Lú Santana

    ResponderExcluir
  2. Olha, essa resenha me fez ter vontade de ler esse livro! Eu adoro o jeito como os livros com um fundo real se desenvolvem, este, pelo visto, se desenvolve de uma maneira ainda mais legal! Gostaria mesmo, mesmo de ler!
    Parabéns amiga, suas resenhas são sempre muito bem pontuadas!

    eraumavezlivrosecia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oiee ^^
    Por mais que não goste muito desse gênero literário, a sua resenha me deixou bastante curiosa para ler. Adoro quando o autor consegue surpreender e emocionar o leitor, e espero que, assim como você, a autora também me impressione. Gostei da premissa da história :)
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oii!

    Parabéns pela resenha!
    Infelizmente não em chamou muito a atenção :/

    Beijos, Kamila
    www.vicio-de-leitura.com

    ResponderExcluir
  5. Não li ainda, mas é o tipo de leitura que eu gosto, enredo que bem poderiam ser reais e que nos levam a questionar e sofrer junto com os personagens.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  6. Ola Fernanda como mãe a premissa do livro já me deixa de coração apertado, deve ser notável a dor dessas mães. Estou bem curiosa com esse livro e todo esse mistério do sumiço as crianças. Já estou munida de lenços para ler o livro. A capa está linda . beijos

    Joyce
    Livros Encantos

    ResponderExcluir
  7. Oiii, Fiquei bem curiosa sobre esse livro é a segunda resenha que eu vejo elogiando-o. Acho que parece ser bem emocionante, principalmente por se tratar de algo tão dentro da realidade. Parece ser um drama de bem estruturado e tocante. Adorei a resenha.

    Beijos
    Aline Lima
    Sempre Nerd - http://alinenerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Nossa, adorei a premissa do livro, pela sua resenha deu para perceber o quanto essa historia deve ser maravilhosa, se soubesse que ela era tão boa assim tinha pegado logo esse livro para ler, já que eu o tenho na minha estante. Estou precisando ler um livro assim com uma historia que faça sentir todas essas emoções.

    Adorei a resenha de verdade :D Bjuuus!

    ResponderExcluir
  9. Olá Fernanda!
    Eu estou com esse livro pra ler e espero gostar tanto quanto você gostou.
    Adorei a sua resenha, ela me motivou a ler o livro.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir