{Resenha} Nove Minutos com Blanda de Fernanda França

Todos os dias, depois de brigar com o despertador que dá apenas nove minutinhos a mais de sono, Blanda se depara com a seguinte situação: ela está quase sem dinheiro, desempregada e sua única companhia é o gato Freddy Krueger.
Bom, não exatamente, já que ela namora um cara chamado Max, que nunca realmente assumiu o relacionamento. Max é folgado, não trabalha e também não faz muita questão de conseguir um emprego, mas é justamente com ele que Blanda se vê prestes a dizer “aceito”.
Em uma confusão envolvendo muito estresse, a porta giratória de um banco e uma calcinha pink, Blanda conhece alguém que pode mudar sua vida. Mas será que a realidade pode virar um conto de fadas?

Rai editora * 2013 * 223 páginas * Classificação 2/5




Blanda é uma garota de vinte e poucos anos, que ainda não sabe bem o que quer da sua vida, e para mim uma pessoa com a autoestima abaixo da sola do sapato. Ela está desempregada, formada em direito, nem ao menos sabe se é isso mesmo que quer fazer de sua vida, super azarada e como senão fosse suficiente está em um relacionamento, que nem ela mesmo sabe determinar que tipo de relacionamento é.

Seu “namorado/ficante/futuro noivo e marido”, é um verdadeiro babaca, mas mais tonta ainda é Blanda que aceita tudo como se fosse normal ter um relacionamento assim. Como eu disse sua autoestima está congelando lá no Ártico.

Depois de muitos momentos de frustração e desastres, Blanda resolve dar um ultimato e diz ao Max (vulgo babaca/namorado) que quer conhecer seus pais. Como ele é tão interativo quanto um brócolis, acaba aceitando.

É ai que a confusão está armada. Quando Blanda vê sua mãe e sua sogra estão organizando um casamento, que nem ela mesma sabe se quer (sim ela é muito irritante).
Ok, ok, eu sei que é normal termos esses momentos de indecisão em nossas vidas, e eu sou uma das pessoas que mais aceita os “mimimi” dos personagens, mas nossa Blanda se superou e nem eu mesma consegui suportar suas crises de existência.
Me desculpem, mas realmente foi uma história que eu realmente não gostei, pelo menos até a página 150. Exatamente faltando 50 páginas para acabar a história eu consegui sentir algo pelos personagens.
 Até então eu não via a hora de acabar. Não sei, para mim a história não foi, eu não consegui nenhum tipo de ligação com os personagens, e quando isso acontece, a história simplesmente não flui. Em um momento ou dois eu até consegui achar uma situação ou outra engraçada, dei uma risadinha ou outra, mas infelizmente estava quase desistindo. Mas como sou persistente dei mais uma oportunidade.

E realmente lá nos capítulos finais, consegui me prender ao enredo.
Blanda finalmente saiu da redoma em que vivia e resolveu fazer algo útil com sua vida. Ali ela conseguiu chamar minha atenção. E ali a história me prendeu.
Eu comecei até a sentir um pouco de tensão, com tudo o que Blanda estava preparando para fazer uma “surpresinha” ao safado do Max e a uma ruiva muito da louca também.
As últimas 50 páginas passaram em um respiro, quando vi estava torcendo por Blanda e pedindo que ela por favor desse um rumo em sua vida e uma chance real ao seu coração.
Não me entendam mal. Sei que tem muitosssss fãs da escritora. Eu mesmo tenho amigas que adoram suas histórias. Mas nem sempre é possível gostar de tudo não é mesmo?
E o livro é sim bem escrito, não encontrei erros, nem nada. Só que infelizmente a história não me tocou, não mexeu comigo. Li muitas resenhas super positivas por ai, e até me perguntei o que aconteceu comigo? Mas, nem sempre é possível gostar de tudo, e hora ou outra acontece infelizmente de eu ler algo que não me agrada.

Mas como eu sempre digo, leiam e tirem suas próprias conclusões, afinal tem muitos comentários positivos mesmo sobre esse livro. Ele provavelmente só não funcionou bem pra mim, mas ainda quero sim ler outras histórias da autora.

Beijoss


1 comentários:

  1. Livro é assim mesmo, tem livros que amamos e tem gente que acha um saco e vice-versa (o que comigo acontece muito, o povo ama e eu odiei a historia, os personagens). Agora, adorei o vulgo babaca/namorado. kkkkkkkkk
    Beijos
    Lú Santnana

    ResponderExcluir