{Especial} Literatura | Clássicos: Alice


Fala, galera! Tudo bem com vocês? Comigo, tudo ótimo!
Bem no dia das crianças, há algo melhor que Alice, de Lewis Carroll? Acho que sim! (Risos.) Os livros infantis do Tolkien... Mas, hoje, falaremos sobre o País das Maravilhas.

Alice's Adventures in Wonderland, frequentemente abreviado para Alice in Wonderland (Alice no País das Maravilhas) é a obra mais conhecida de Charles Lutwidge Dodgson, publicada em 4 de julho de 1865, sob o pseudônimo de Lewis Carroll. É uma das obras mais célebres do gênero literário nonsense.
As ilustrações originais de John Tenniel, não dão a aparência real de Alice Liddell, que tinha cabelo escuro e uma franja curta. Diz uma lenda que Carroll enviou ao ilustrador uma fotografia de Maria Hilton Tennielowi Babcock, outra amiga do autor, mas não está definido se Tenniel realmente utilizou-a como modelo.
O livro começa com um poema, explicando a génese da sua criação, onde descreve uma viagem no rio Tâmisa.
Embora o Jabberwocky seja muitas vezes confundido como personagem desta obra, na verdade só aparece na sua sequência, Alice no Outro Lado do Espelho. É, no entanto, muitas vezes incluído nas versões de cinema, que geralmente são chamados simplesmente de Alice no País das Maravilhas, causando a confusão. A Rainha de Copas é igualmente confundida com a Rainha Vermelha, que aparece na sequência da história, Alice no Outro Lado do Espelho, mas não têm nenhuma característica em comum, exceto o caráter de serem ambas rainhas. A Rainha de Copas pertence a um baralho de cartas que está presente no primeiro livro, enquanto a Rainha Vermelha é representada por uma peça de xadrez vermelha, dado que o xadrez é o tema presente do segundo livro.

Through the Looking-Glass and What Alice Found There é um livro de 1871, a continuação do célebre Alice's Adventures in Wonderland, de 1865.

Carroll, apaixonado por crianças, elaborou as duas narrativas como um contraponto fantasioso e feérico que ridicularizava a compostura exigida às histórias edificantes e moralistas que eram lidas para os pequenos súditos da Inglaterra vitoriana. Um claro exemplo é o momento em que a sentenciosa Rainha Vermelha diz: "Fale só quando falarem com você". Alice observa que, se essa regra fosse seguida por todos igualmente, a conversa deixaria de existir. Porém, tanto Alice no País das Maravilhas quanto Alice Através do Espelho mostraram ser muito mais do que histórias infantis: são obras-primas da literatura fantástica de todos os tempos, para leitores de todas as idades.

Até mais!

1 comentários:

  1. Sou simplesmente apaixonada por Alice, me trás muitas recordações boas. Esse livro e O Pequeno Príncipe são meus amores!!
    Beijos
    Lu Santana

    ResponderExcluir