{Resenha} "Grey", de E. L. James

Na voz de Christian, e através de seus pensamentos, reflexões e sonhos, E L James oferece uma nova perspectiva da história de amor que dominou milhares de leitores ao redor do mundo.
Christian Grey controla tudo e todos a seu redor: seu mundo é organizado, disciplinado e terrivelmente vazio – até o dia em que Anastasia Steele surge em seu escritório, uma armadilha de pernas torneadas e longos cabelos castanhos. Christian tenta esquecê-la, mas em vez disso acaba envolvido num turbilhão de emoções que não compreende e às quais não consegue resistir. Diferentemente de qualquer mulher que ele já conheceu, a tímida e quieta Ana parece enxergar através de Christian – além do empresário extremamente bem-sucedido, de estilo de vida sofisticado, até o homem de coração frio e ferido.
Será que, com Ana, Christian conseguirá dissipar os horrores de sua infância que o assombram todas as noites? Ou seus desejos sexuais obscuros, sua compulsão por controle e a profunda aversão que sente por si mesmo vão afastar a garota e destruir a frágil esperança que ela lhe oferece?
 
Intrínseca * 2015 * 524 páginas * Classificação: 5/5

 
Controle. Aí está uma palavra do dicionário que Christian Grey adora exercer no seu dia a dia.
 
Ele gosta de controlar sua vida, seus carros, seu trabalho... E principalmente, as mulheres com que se envolve.
Até que certo dia, uma moça cai (literalmente) em seu escritório e faz a sua vida mudar a partir daquele momento.
 

"Nosso objetivo é satisfazer."

Muitos já conhecem essa história por terem lido "Cinquenta Tons de Cinza", na visão da Anastasia Steele.
Mas como uma mesma história pode ter outro ponto de vista, agora é a vez do Christian Grey contar com as suas palavras e emoções.


"Odeio meus sonhos. São repletos de recordações angustiantes, lembretes distorcidos de uma época que quero esquecer."



Christian se interessa por Anastasia (ou somente Ana, como prefere ser chamada) assim que põe seus olhos sobre ela.
Onde nasce um duelo interior entre fazer a coisa certa e fazer a sua própria vontade de homem dominador.

"Quero tanta coisa dela: confiança, obediência, submissão. Quero que ela seja minha, mas justamente neste momento... Sou dela."

O que ele não esperava era que esse interesse e desejo pudesse aumentar a tal ponto que suas emoções entraram em conflito.
 
"Ela é tudo o que eu quero."

"Conforme recupero o equilíbrio, afasto a estranha onda de emoções que me invade. Não é como a escuridão, mas é algo que devo temer. Algo que não compreendo."

E se todo esse controle que ele gosta de exercer se voltar contra ele, transformado num sentimento que ele não pode controlar?
Até que ponto o Christian está disposto a controlar sua vida e deixar que as emoções a controlem?


"Queria que ela estivesse aqui comigo. Ela alegra a minha casa, a minha vida... a mim."


Eu li a trilogia Cinquenta Tons há dois anos, e quando soube que existiria um livro no ponto de vista do Christian, fiquei curiosa (e ansiosa também!) sobre a maneira que a história seria contada, ainda mais depois de um período grande entre o ultimo e o lançamento desse livro.
 
E posso dizer que a autora não me decepcionou!

Eu gosto de ler uma mesma história com pontos de vistas de personagens diferentes, e depois comparar os momentos citados nos dois livros (espero que tenha mais gente que faça isso também rsrs)...
 
Esse é aquele livro que a narrativa te prende até a última página. E mesmo depois de ter lido os livros anteriores há um bom tempo atrás, deu pra sentir a essência da história novamente.
 
E é claro que depois de finalizar Grey, eu tive que dar uma relida rápida de alguns momentos nos outros livros pra ter certeza de como a história vai acabar (Sim! Eu já sabia como a história ia acabar, mas quis confirmar mesmo assim rsrs).
 
É interessante ver que o homem seguro e cheio de si que lemos nos livros anteriores também tem suas inseguranças, dúvidas e receios.
 
A parte dos e-mails trocados entre o Christian e a Ana são super divertidos.
 
A forma como ele cita os personagens secundários também tem grande importância pra história.
 
E agora nem vou ficar aguardando a possibilidade de lançarem os outros dois livros seguintes na versão dele também (mentira, vou aguardar sim rs).

 
Então galera, espero que tenham curtido a resenha e que curtam a leitura desse livro também.
 
Deixe que o homem considerado "Cinquenta Tons de Cinza" de personalidade mostre o seu lado da história.


Adicione o livro no SKOOB!



Boa leitura!
 
 
Beijos,



1 comentários:

  1. Oi, Ana. Adorei a resenha, sabe eu gosto muito desse personagem, o Grey para mim era inseguro (por isso essa obsessão por controle), cheios de conflitos, e fiquei muito ansiosa para conhecer a versão dele, a sua visão, as lembranças que ele guardava da sua infância. Bom, vou terminando por aqui para não deixar spoiler soltos. kkkkk Parabéns pela resenha!!!
    Beijos
    Lú Santana

    ResponderExcluir