{Resenha} Dezesseis - A Estrada da Morte, de Simone Pesci

João Roberto, conhecido por todos como Johnny - O Rei dos Pegas - acabara de completar “Dezesseis”. Estereotipado como “rebelde sem causa”, levava uma vida desregrada, ao lado dos amigos, mostrando-se o cara legal e o maioral. Desejado por muitas garotas, sempre vencia os rachas que participava. Porém, ele não contava com um sobressalto do destino... Assim, apaixonou-se por Ana Cláudia, uma linda e doce garota que se tornaria sua salvação, bem como sua perdição. Dentre tantos conflitos e percalços para ficar ao lado de seu grande amor, Johnny entra de cabeça em uma disputa com destino à estrada da morte.
Inspirado na canção “Dezesseis” - da banda brasileira Legião Urbana - este é um enredo de amor recheado com muitas aventuras.
Apaixone-se, retorne no tempo, relembre seus “Dezesseis”... e seja, você também, um “rebelde sem causa”...
Tribo das Letras * 2015 * 318 Páginas * Skoob

Dezesseis
Legião Urbana


João Roberto era o maioral
O nosso Johnny era um cara legal
Ele tinha um Opala metálico azul
Era o rei dos pegas na Asa Sul
E em todo lugar
Quando ele pegava no violão
Conquistava as meninas
E quem mais quisesse ter
Sabia tudo da Janis
Do Led Zeppelin, dos Beatles e dos Rolling Stones
Mas de uns tempos pra cá
Meio que sem querer
Alguma coisa aconteceu
Johnny andava meio quieto demais
Só que quase ninguém percebeu
Johnny estava com um sorriso estranho
Quando marcou um super pega no fim de semana
Não vai ser no CASEB
Nem no Lago Norte, nem na UnB
As máquinas prontas
Um ronco de motor
A cidade inteira se movimentou
E Johnny disse:
"-Eu vou pra curva do Diabo, em Sobradinho. E vocês?"
E os motores saíram ligados a mil
Pra estrada da morte o maior pega que existiu
Só deu para ouvir, foi aquela explosão
E os pedaços do Opala azul de Johnny pelo chão
No dia seguinte, falou o diretor:
"O aluno João Roberto não está mais entre nós
Ele só tinha dezesseis
Que isso sirva de aviso pra vocês"
E na saída da aula, foi estranho e bonito
Todo o mundo cantando baixinho:
Strawberry Fields Forever
Strawberry Fields Forever
E até hoje, quem se lembra
Diz que não foi o caminhão
Nem a curva fatal
E nem a explosão
Johnny era fera demais
Pra vacilar assim
E o que dizem que foi tudo
Por causa de um coração partido
Um coração
Bye, bye bye Johnny
Johnny, bye, bye
Bye, bye Johnny

Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Espero que sim... Desde já peço desculpas pelo post que será longo, e por ter dado spoilers com a letra da música... (Oops...!)
Antes da resenha, vamos fazer uma introdução?!? Estou com vontade de escrever e com bloqueio criativo para meu livro em andamento. Essa vida de escritora não é fácil, não.
Bem, vamos lá. Comprei meu exemplar por indicação da Fer; ela disse que por eu ser roqueira, e gostar de Legião Urbana, iria amar esse livro. Afinal, ele é inspirado na canção acima. Os Correios foram super gentis e me entregaram super rápido. Por isso, comecei a ler em uma quarta-feira (por volta das 20 h) e terminei na quinta, logo pela manhã. Duas pessoas estão na fila para pegar emprestado, e algumas vieram me perguntar o que estava lendo; pois gostaram da capa e viram o nome da banda.
Agora, fiquem com alguns links caso queiram acompanhar as indicações.

Semana Especial | Dezesseis - A Estrada da Morte, de Simone Pesci
Resenha feita por Fernanda Braga, do Mato por Livros

Então, para que se apaixonem também, vamos à resenha. E sem falar muito, não posso dar mais spoilers.
Johnny, como diz na música, é o maioral. Todos o conhecem por ser o melhor piloto de racha; mas, o que ninguém sabe, é que ele adora literatura! É Ana Claudia, a garota que aparece e lhe rouba o ar, que descobrirá esse seu lado romântico.
Ana é seu amor impossível; eles precisam enfrentar tudo e todos para ficarem juntos, e o destino parece não querer colaborar. A história é cheia de altos (festas e momentos bons) e baixos (tristeza, desespero, ansiedade...) bem amarrados. A versão que a Simone criou para o João é bem interessante; me fez ficar completamente envolvida pela trama. E isso me lembra que preciso confessar uma coisa: que raiva do JP (pai da Ana) e do Samuel! Toda vez que eles apareciam eu tinha vontade de dar surra de ripa neles! E uns bons tabefes na cara da tal da Vick.
Foco, Karol, foco! Ok... Vamos lá. João Roberto perdeu o pai ainda cedo e mora só com a mãe, não tendo mais familiares; foi seu pai que lhe deixou o Opala azul que utiliza nos "pegas". E são esses rachas que dão o final incrível do livro. Bem, depois de devorar mais de 300 páginas, não pude deixar de pensar como teria sido se Johnny não fosse tão impulsivo, ou se tivesse tomado outras escolhas... Algum dia terei uma resposta para esses devaneios. (Risos)
Uma coisa que amei no meu lindo exemplar foi a diagramação... Gente, o livro é lindo! Por todo o conjunto, só posso dizer: procurem a Simone e adquiram logo o Dezesseis de vocês!


4 comentários:

  1. Nossa! Fiquei surpresa agora, Karol!!! Não pensei que fosse ter resenha, pois a Fer já havia feito. Eu mega AMEI!!! \o Obrigada!!! S2 Fico contente de saber que você curtiu. \o/ Dezesseis é uma narrativa bem simples, mais envolta em diálogos, e o propósito dele não são os rachas, mas sim o porquê o coração do Johnny foi partido? Afinal, sempre que eu ouvia a canção, pensava nisso. Quando puder leia "Entre o Céu e o Inferno", é um contexto totalmente diferente, digo no enredo e também em narrativa e diálogos, com uma abordagem mais séria e de fundo emocional.

    Um beijo enorme pra ti. S2

    Obrigada!!!

    Simone Pesci

    http://simonepesci.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu li esse livro porque estava curioso para saber como a autora desenvolveu a trama inspirada na música tão conhecida por todos nós. Já no meio da leitura fiquei empolgado e curioso com tantos detalhes e tramas desenvolvidas; ao final fiquei surpreso por verificar o rumo que a trama tomou. Embora a música seja um grande spoiler a criatividade da escritora nos surpreende. Gosto de escritores criativos, que saem da monotonia e se arriscam, e foi justamente por isso que gostei da criatividade da Simone, além da escrita onde ela deixa transparecer claramente suas emoções.

    ResponderExcluir
  3. Que massa saber que você curtiu, Ad! \o/ E mesmo a narrativa sendo simples, tive grande preocupação com a construção da trama para que fosse condizente. Aliás, prezo por uma trama amarrada e com criatividade. Esse de fato não é o meu melhor texto, mas é um texto cabível para a ambientação da trama, coisa que muitos não entenderam. Obrigada pela força! Sou sua fã. \o

    Abraçossss

    Simone Pesci

    http://simonepesci.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Karol, sua louca, kkkkkkkkk, vc ainda não tinha lido?
    bjs

    ResponderExcluir