{Resenha} A Garota de Treze de Lilian Reis

Oi, meu nome é Luce. Odeio ter treze anos, ser chamada de pirralha e não ser popular, mas, Acima De Tudo, odeio nunca ter sido beijada! Só tenho uma amiga de verdade, a Rafa, e um amigo apaixonado que tenta de todas as formas chamar minha atenção, o Bruno. Ele é pra lá de fofo, mas não gosto de garotos tão novos, entende? Minha vida sem graça começou a mudar quando botei os olhos no vocalista de uma nova banda. Nossa. Que gato! Eu já queria fazer aulas de violão, mas, depois que ouvi o carinha, decidi me matricular. Quase caí dura quando descobri que ele era o professor! Pelamordideus! Além de atencioso, paciente e lindo, tocava MUITO! Fiquei maluca por ele, tão maluca que decidi trapacear. Eu só não imaginava que as consequências seriam tão desastrosas!

Uno Editora * 2016 * 219 Páginas * Classificação 5/5 (posso dar mais?)



Medos, dúvidas, alegrias, espontaneidade, muitos receios. Uma vontade de viver tudo de forma única, avassaladora e o mais intensamente possível. Uma vontade de dar um passo sempre á frente, conhecer o novo, o improvável, o impossível e muitas vezes até o proibido.

Luce está vivendo exatamente essa fase. No que deveria ser o auge dos seus treze anos, para ela é uma “porcaria” de idade, onde não se pode fazer nada, viver nada, conhecer nada. Ou seja, nem se vive.
Ela quer ter dezesseis. Dezesseis é a idade maravilhosa, ao contrário dos treze, aqui tudo acontece. Garotas são lindas, espertas, garotas conseguem tudo o que querem, principalmente beijar garotos mais velhos.


“Será que quando o tal amadurecimento chegar, saberei de tudo? Terei todas as respostas, assim, num estalar de dedos? Acho que não!
  

Ser BV não é fácil, Luce quer ser beijada, Luce quer se sentir querida, o sonho dela é namorar um garoto mais velho, eles sim sabem o que querem, e não são bobos. Claro, tudo isso no conceito de Luce e Rafa, sua melhor amiga, que pensa como ela.

Essa fase não passa. Ela não pode fazer nada, sua mãe é uma pessoa super, hiper, mega, ultra rigorosa (gente sério, apesar de entender um pouco a mãe dela, minha mãe era praticamente um clone da dela, eu também ficava super chateada com algumas atitudes). Mesmo hoje sendo uma pessoa adulta, não sendo mãe, mas já sabendo me por um pouco mais no lugar desse ser maravilhoso, e apesar da gente dizer que entende, fica sempre aquela pontinha de incompreensão nos rondando e questionando porque não pudemos fazer mais coisas como gostaríamos nessa idade? Se bem que os meus treze anos foram bem tardios, pelo menos em alguns aspectos se comparados a Luce.

Mas e as paixões que reinam nossos corações nessa época?
Gostar daquele garoto que nem olha para a gente? Aquelas borboletas no estomago. Amar ver os garotos bonitos passar pelo corredor da escola, e os imaginar como nossos namoradinhos... Ah fala sério, quem nunca passou por essa fase? Quem não sente saudade, uma nostalgia que nos encher de boas recordações.

Luce é uma garota super fofa, intensa e claro de treze anos kkk, isso deveria explicar muitas coisas. Ela quer tudo o que não pode ter.
E ela decidiu que precisa dar um jeito de fazer as coisas acontecerem.
Além da Rafa, sua melhor amiga, existe também o Bruno, o super fofo Bruno. Ele é apaixonado por Luce, mas ela só o vê como amigo, e ai começa sua primeira enrascada e o caminho para uma grande lição.
Ela e Rafa vão tentar fazer Bruno se apaixonar por outra menina, assim ele esquece a Luce e eles podem ser somente amigos. Mas parece que elas ainda não entenderam que brincar com os sentimentos das pessoas pode ser algo perigoso.
No meio do caminho Luce conhece Noah, seu professor de música, um garoto lindo de... Dezoito anos, ele é tudo o que ela pode querer e parece que ele também está super interessado, as coisas caminham para o seu primeiro beijo, mas para isso acontecer Luce se vê rodeada de mentiras e mais mentiras. Mentiras para a mãe, para Noah, para sim mesma.
E ainda com tudo isso ocupando e preocupando sua mente e seu coração, Luce precisa lidar com o fato de que sua mãe irá se casar novamente e elas terão que se mudar, ou seja, Luce precisa enfrentar mais mudanças em sua vida.
Ela realmente se sente perdida. E para mostrar que os problemas vem em uma avalanche Luce descobre sobre a família de Noah o que torna o romance deles ainda mais proibido, como se o fato dela mentir sua idade já não fosse um motivo suficiente para que quando a verdade seja descoberta, tudo venha a ruir.


“Eu estava mal pra caramba com aquela situação. Ele na certa pensava que eu era uma garota fútil e vazia. Isso me deixava triste, porque me fazia pensar e pensa... E fazia eu me odiar.”
  

Ah genteeeee. Sério eu me apaixonei, apaixonei, apaixonei pela história.
Quando comecei, esperava somente uma história infanto-juvenil. Quem me conhece e acompanha o blog sabe que eu amo esse gênero, e leio muitos livros assim. E eles são gostosos exatamente por nos despertar gostosas (ou nem todas) lembranças. Mas geralmente são só histórias fofas e leves. Mas Lilian conseguiu nos despertar com uma mensagem super linda. Afinal não é só nos treze anos que cometemos a burrada de querer “pular” algumas fases. Não é só aos treze anos que as incompreensões sobre o porquê de muitas coisas nos assolam. Não, muitas dessas dúvidas e problemas nos acompanham por muitos anos após essa fase. E Luce nos ajudou a abrir um pouco os olhos.

Ela é uma personagem cativante. Em muitos momentos deveríamos considera-la irritante e imatura, mas para tudo e vamos lembrar que ela tem treze anos, TREZE anos. Quem aqui era maduro com essa idade? Quem aqui não achava que o mundo iria acabar com uma nota baixa (chorei dias e dias quando fiquei de recuperação kkkk), quem aqui não lamenta a “amarga sorte” de não receber o olhar do garoto pelo qual está apaixonada? E as burradas que fazemos? As manhas? As lágrimas que caem esperando conseguir algo em troca? kkkk
Luce é real, Luce é humana, Luce é a representação perfeita de meninas não somente vivendo os seus treze anos, mas seus catorze, quinze, dezesseis. Mesmo que na cabecinha linda dela, ache que os dezesseis é a solução para seus problemas.

Acompanhar os deslizes e suas exatidões é acompanhar um pouco de nós mesmos.


“... Você só está começando sua história. Esta é apenas uma página. Rabisca e começa outra!”
  

Rafa é aquela amiga “pau para toda obra” kkkk, com a mesma cabecinha e sonhos que Luce, as duas estão sempre nas enrascadas juntas. Mas quando precisa Rafa sabe mostrar que sim, garotas de treze anos, sabem e podem dar bons conselhos.
Engana-se quem pensa que nessa idade as garotas só pensam e fazem besteiras. Elas vieram para mostrar que fazem sim, mas que também cometem acertos e o melhor da vida: Aprendem com seus erros, e aprendem a levantar após o tombo.

Bruno conquistou meu coração. No comecinho da história até torci por ele, mas vi que não ia. O coração de Luce era decidido rs. Mas o caminhar da história entre eles deixou meu coração apertadinho, torci para que pelo menos tudo de resolvesse.

A mãe de Luce, como já disse anteriormente me deixou em alguns momentos chateada. Ok, mãe só quer proteger, mas acho que nossas asas precisam também de certa liberdade. E a de Luce não dava nenhuma. Creio que deve existir um meio termo, se ela fosse um pouco mais maleável talvez Luce não tivesse se enfiado em tantas enrascadas e precisado de tantas mentiras. A confiança é um ponto crucial.
Mas quem sou eu? Nem mãe eu sou ainda. Mas gostei muito de ver a evolução no relacionamento delas, e fofo ver como cada uma pode aprender com a outra.

Noah! A Noah, ele foi o que despertou os sentimentos mais contraditórios em mim, eu estava apaixonada por ele, adorava seu jeito todo fofo, mas me revoltava em alguns momentos kkk. Os garotos e seus hormônios! Mas não preciso dizer que bastou uma página para que eu estivesse rendida totalmente por seus encantos.

Gente, melhor parar né? Medo de soltar spoiler. Mas queria passar horas e horas conversando sobre essa história.
Como um livro tão curtinho pode despertar tantas emoções e sensações?
Terminei a leitura com uma saudade. Saudade dos personagens, saudade de mim mesma e da época em que vivi alguns tormentos de Luce.

Lilian deixou nosso coração com um pedacinho ao menos no final da história, que por sinal foi perfeita. Pode não ser muitas vezes o que se espera. Mas com certeza foi o certo na vida desses personagens.
Ai juro, meu coração esta apertadinho até agora. Esse negócio ai de vida não é fácil não. A gente vive, erra, cai, levanta, aprende, compreende, aceita, mas mesmo assim muitas vezes vamos questionando os porquês tudo novamente.
Faz parte.

Só fico aqui pensando, e torcendo por Luce. Imaginando o que ela está fazendo. Se ela realmente aprendeu tudo sobre viver cada fase, e o quanto ainda esta errando. Quantos tombos ela ainda precisara levar, o que ela ainda vai viver, se tudo irá sair como ela espera?
Não dá para saber. 


“Já me disseram que, depois dos dezoito, a vida da gente voa. É claro que não tem mais volta. Então pra que a gente quer perder os treze, quatorze, quinze...”
  

A autora finalizou e amarrou muito bem a história. Ela poderia ter um ponto final ali mesmo, mas ao mesmo tempo deixou aquele gostinho de quero mais e: - AHH EU PRECISO SABER O QUE ACONTECEU COM A LUCE.
Então fiquei IMENSAMENTE feliz, um imensamente bem GIGANTE kkk, ao saber que sim, ela irá escrever uma segunda parte.
- Luce, não vejo a hora de te reencontrar garota.
Estou prevendo ainda muitas quedas, muitos erros, mas sei que no final, sua vida será tudo o que ela precisa ser para você.
Já dizia Zeca Pagodinho... Deixe a vida me levar...
 

Para ouvir ao som de:


I Won’t Give Up – Jason Mraz



Beijosssss e nos encontramos em nossa próxima primavera.


 

6 comentários:

  1. Oiii,como eu já disse não sou fã de livros infanto-juvenis,mas por tudo que você falou a autora trabalhou bem no enredo,pois até têm piquê para uma próxima história!! Só uma coisa que fico pensando: o medo de ter triângulo amoroso...pelo visto não acontece,mas passa um pouco perto imagino que você deve ter ficado com muito dó mesmo,ainda mais se ele for um personagem simpático, aí que piora por que você acaba meio que ficando dividida kkkk eu odeio quando isso acontece rsrs Enfim,no mais eu amei essa capa, para mim nem parece muito capa de livro juvenil sabia?! Mas achei muito fofa!!

    Bjsss e sucesso á autora

    ResponderExcluir
  2. Oi Fernanda!
    Não conhecia a autora, e apesar de gostar de livros infanto juvenis, não me interessei muito pelo livro. Entendo a vontade de viver dela como se fosse mais velha e tudo mais, pq já passei por isso e por mais fofo que o livro seja o enredo não me convenceu.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Acho complicado, né...as mulheres são assim, quando são novas querem ser velhas....quando são velhas querem ser novas....mas assim não sei se gostaria de ler, pois acho que ela deveria ter outras prioridades, e não se sentir tão fora da realidade dela....tem tanta coisa boa para ela fazer e se divertir, enfim....
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá Fernanda!

    Também sou apaixonada por livros juvenis, por trazerem toda a essência e naturalidade da vida, mas concordo com você e assino embaixo, Lilian Reis arrasou com A Garota de Treze e Noah? Caramba, não tem nem como não pensar que o livro pode ser só o começo para uma série inspiradora e encantadora!
    Vamos lançar a hastag: #AGarotadeDezoito
    E como diria a Luce: Quero tudo pra ontem! hahahaha

    Beijoooos!

    ResponderExcluir
  5. Aiiiiiiiiiiiiiiiii, que linda sua resenha. Adorei. Amei. Obrigada por descrever tão bem os personagens. E no final aqui, nos coments, vi a opinião da Thaís. Ela também arrasou na reseha dela. Gente vocês são ótimas. Obrigada de coração. Fê linda, mais uma vez arrancou lágrimas de meus olhinhos. Buá! Beijãoooooooo!

    ResponderExcluir
  6. Achei essa capa linda, parecida com os livros da Paula Pimenta que tanto adoro. Não são todas as pessoas que conseguem ler livros com o foco juvenil, eu gosto, para relaxar e relembrar esse período; de certa forma comparar com o que vivi e desejei na época. Nessa época eu tinha muitos amores platônicos, que eu ficava admirando no recreio e imaginando cenas românticas. E nem me fale de nota baixa, até hoje lembro de um maldito zero em física que me fez reprovar no primeiro ano e pareceu o fim do mundo. Mas tudo são fases necessárias para nosso amadurecimento e reações a nossas ações.
    Gostei de saber sua opinião sobre a leitura e tenho certeza que vou amar quando ler. Parabéns pela resenha cheia de emoção e personalidade. Dica mais que aceita viu!!???
    Beijos amiga!!! Saudades!!!

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir