{Especial Romance 2016} Eu e Meus Amores Literários por Raiza Varella


Quando o amor chega a nossas vidas com certeza é um dos momentos mais lindos que vivemos. Mas existem outros amores que enchem nosso coração de vida e por mais que pareça loucura é impossível não se apaixonar por eles. Estamos falando dos Amores Literários, e você leitor sabe que estou falando a mais plena verdade. Quem aqui já não se apaixonou por um personagem literário que atire a primeira pedra rs.

E hoje para nos mostrar personagens apaixonantes e nos fazendo conhecer mais um pouquinho sobre ela, convidamos a autora Raiza Varella para nos apresentar seus Amores Literários.

Raiza Varella






É muito difícil falar sobre os personagens masculinos mais apaixonantes dos livros quando se ama de mais. Afinal cada livro é uma nova paixão. Nem vamos começar a comentar do quanto é difícil escolher apenas alguns personagens e deixo claro que minha lista não é por ordem de importância. Não tem como medir quem amei mais ou menos, amei todos. Amei muito e amei de verdade, cada um à sua maneira e por um motivo diferente que eu vou fazer questão de contar a vocês.
Vamos então, conhecer as minhas paixões literárias favoritas? 


Eleito um dos melhores livros de 2013 pelo School Library Journal, Mar de Tranquilidade foi uma grata surpresa. Na minha opinião ele não tem uma capa atrativa, mas tem uma história que merece ser lida. Pela sinopse parece se tratar de mais um romance de superação juvenil, um New Adult como tantos outros já lançados, mas ele está longe de ser apenas comum, ele é magistralmente escrito. Um livro emocionante e muito bem trabalhado, que entrou com certeza para minha lista de favoritos antes mesmo do fim. 

 Josh Bennett
Na maioria das vezes um personagem masculino não se faz sozinho, nos apaixonamos por ele no exato instante em que a química dos casal nos é apresentada, é um conjunto. E em Mar da Tranquilidade, não foi diferente. Nastya passou por uma situação desesperadora da qual muitas pessoas não se recuperariam, uma situação que quando vivida rouba algo em troca, no caso, Nastya perdeu sua voz. Ela ainda consegue falar, apenas não quer.
 
“As palavras eram o sacrifício que eu oferecia diariamente em troca de um sono sem sonhos. Elas nunca me deixaram na mão.”

Seus pais não conseguem mais lidar com seu emocional fragilizado e por estar fazendo com que eles sofram ela decide morar com a tia em outra cidade, é quando ela conhece ele, Josh Bennett, um garoto tão quebrado quanto ela. Josh não é sociável, fora a companhia do melhor amigo ele prefere não se envolver com mais ninguém e quando seu nome é sinônimo de morte as pessoas realmente costumam te deixar em paz sem mais perguntas. Toda as pessoas que ele amou, ele perdeu. Então para que se apaixonar, porque dar munição ao destino para sofrer mais tarde?

Nastya é a primeira a quebrar sua barreira, é como se ambos fossem imãs, atraídos um para o outro. Tudo começa de forma lenta, em uma noite, durante uma corrida Nastya o vê trabalhando em sua oficina e sente a curiosidade falar mais alto, ela daria tudo para que as pessoas a deixassem em paz como fazem com Josh. Depois de um tempo eles já estão passando tempo juntos e se conhecendo. A melhor parte? Todo esse começo acontece sem uma palavra da protagonista feminina.

Nastya é forte, embora tenha sentimentos reprimidos e Josh é doce, embora tenha um campo de força invisível ao seu redor. É um relacionamento que funciona, recheado de “cura”, medo e segredos sóbrios do passado.
Não tem como não amar Josh Bennet e o amor que ele sente por Nastya. 




Por mais que eu tente não consigo descrever esse livro em apenas uma palavra. Perfeito, emocionante, espetacular, triste, doloroso, devastador, intenso, ele é uma mistura de todas elas e de muitas outras. Também é um dos livros que mais me marcou.  

 Dean Holder 

Sky foi criada em casa por sua mãe, sem acesso à tecnologia. Então temos uma garota de dezessete anos que não tem televisão, celular, nem instagram (Como ela sobreviveu tanto tempo assim é um mistério haha). Quando finalmente sua mãe permite que ela frequente a escola sua melhor amiga inventa de fazer um intercâmbio e ela é deixada a própria sorte dessa mudança radical de hábitos de vida. É aí que ela conhece Dean Holder, um garoto misterioso e enigmático que parece persegui-la onde quer que ela vá.

 “- Passei a vida inteira procurando você."

Sky nunca conseguiu se sentir atraída por nenhum garoto, muito menos envolvida, não que ela não fique com ninguém, pelo contrário, mas Holder muda isso quando se torna o primeiro a abalar suas estruturas.

Porque eu amei tanto esse personagem? Pela compreensão. Dean Holder é o típico bad boy, que guarda segredos e tem muitas variações de humor. Mas ele é fiel, companheiro e compreensivo. Ele é o tipo de cara que quebra tudo em volta pela garota em um acesso de raiva, também é o mesmo que sabe a hora certa de dar um abraço.

Dean pode achar que não há esperança, mas ele definitivamente é a esperança. 


Eu tenho um fraco por mocinhas e mocinhos estilhaçados, até aqui nenhuma novidade, certo? No limite da Atração, na minha opinião traz um dos melhores casais de New Adult que já li. Ambos tem suas dores, seus passados devastadores e são carentes de algum tipo de afeto. São um prato cheio para quem deseja uma leitura doce, marcante e meramente triste, mas que agracia o leitor com um final feliz merecido.

  
Noah

Echo é sempre forçada pelo pai a ser quem não é, e tem que conviver diariamente com a falta da mãe e uma madrasta grávida que a tira do sério, enquanto Noah tem apenas os amigos, um lar adotivo e muitas saudades de pessoas que não estão mais ao seu lado. Onde eles se conhecem? Nas sessões com a psicóloga do colégio. Ela sofreu um “atentado” que mutilou seu corpo e frequenta as sessões porque não se lembra de nada, enquanto ele tem problemas em controlar a raiva, algo que foi constatado quando ele agrediu um de seus pais adotivos.

“Fiquei apavorado de me mexer, respirar, existir nesse momento. Na TV, os adolescentes eram mostrados como felizes, sem preocupações. A Echo e eu nunca teríamos uma vida daquelas. Meus pais morreram. E eu fui ferrado por um sistema que supostamente deveria me proteger. A Echo... A Echo foi traída pela pessoa que deveria dar a vida para protegê-la.” 

Eu gosto de atos, se forem de amor melhor ainda. E Noah sabe como fazê-los. Sabe bem. Vou resumir meu amor por ele em apenas uma cena, não sei se serei exatamente precisa, minha memória não é das melhores, mas valos lá: Na primeira vez em que ele vai buscar Echo para sair na presença de seu pai e madrasta ela deveria estar vestindo a costumeira blusa de manga cumprida para esconder as cicatrizes nos braços, mas em um momento de distração ergue as mangas, ou não está de fato usando uma blusa com elas. A questão é que a madrasta se assusta em ver o quanto ela está à vontade na presença dele e Echo percebendo tenta esconder as cicatrizes.  O que Noah faz? Não permite. Na minha opinião ele ganhou o respeito do pai da garota nessa cena, e o meu também.  



Agora chega de drama e vamos falar de um bom Chick-Lit. O escolhido foi “Os Segredos de Emma Corrigan”, porque na arte de fazer rir Sophie Kinsella é expert. Eu adoro todos os seus livros, sem exceções e sou apaixonada por todos seus mocinhos, mas esse para mim, é especial.



Jack Harper

Emma está em um avião voltando para casa depois de uma catastrófica reunião de trabalho que ela própria estragou. No meio do voo há uma turbulência e com medo da morte iminente ela agarra no braço do homem que estava sentado na poltrona ao lado da sua e despeja TODOS, eu disse TODOS, os seus segredos. E olha que ela não tem poucos. Eles variam do peso verdadeiro, até o fato de ela regar a planta de uma colega de trabalho com suco de laranja quando a mesma a irritava.

“Ouço álguem atrás de mim recitando “Ave Maria cheia de graça...” e um novo pânico me domina. Tem gente rezando. É sério.

A gente vai morrer.”

Depois que tudo se normaliza e morta de vergonha do ocorrido ela pensa consigo mesma, “tudo vai ficar bem, afinal nunca mais vou vê-lo”. Ledo engano.

Não vou dar spoiler, mas Jack Harper me ganhou no ato. Eu já disse que gosto de atos, não disse? E os dele são os melhores. Vamos apenas dizer que cada uma das reclamações/segredos da Emma são absorvidos por ele que em vez de apenas guarda-los, faz algo a respeito. Claro que isso é péssimo, e causa muita confusão na história, mas também é lindo porque Emma não vê o que os leitores veem, Jack só quer seu bem. 



Mais um Chick-lit e esse não é muito reconhecido, não faço ideia do porquê, afinal ele é hilário e tem uma linda história de amor nas entrelinhas. Foi um dos primeiros livros que eu li e um dos grandes responsáveis por me fazer gostar do gênero.

Sam

Katie não tem sorte no amor. Toda vez que ela gosta de um cara é furada. Ou ele é gay, ou desempregado, ou a trai, como Jack, seu ex. Mas em contra partida ela tem amigos ótimos. Janice, que vive em busca de um marido rico, George, o gay mais maravilhoso da face da terra e um grande amor na minha vida e o maravilhoso Sam, que não mede esforços para ajudá-la, mesmo que ela tenha aberto sua cabeça com uma pequena pá de plástico quando eles eram crianças porque ele sentou no colo de sua mãe (garotinha ciumenta, não?)

Nesse livro vemos a importância da amizade, já que os quatro são inseparáveis. Ainda nesse tema, George se apaixona por alguém que será deportado e pede a Katie que salve seu relacionamento se casando com o rapaz para que ele fique no país. Por seu amor por George (e muitas outras promessas) ela aceita. Afinal que mal faria ela se casar de mentirinha se não tem ninguém de verdade na sua vida?

Katie, não enxerga Sam. Mas ele a vê.

Se eu contasse mais desse personagem seria spoiler, mas vamos apenas dizer que jogar jujubas dentro de uma banheira tem o seu encanto. Eu já disse que ele sempre come o bombom de laranja? Katie odeia os de laranja, por isso ele os come. Ele também sai de seu apartamento a hora que for para salvá-la de aranhas gigantes, lhe empresta dinheiro, o ombro e lhe dá muitas broncas. E eu sou muito, muito apaixonada por ele.



Esses são alguns dos meus amores, espero que tenham gostado. Comente se já leram algum dos livros, ou senão, se ao menos se interessaram em ler.



Grande Beijo,

Raiza Varella.



Gente esse post ficou tão, mas tão amor. É a cara da Raiza mesmo. Fazer algo tão lindo, escrever maravilhosamente bem e nos fazer se apaixonar pelos personagens. Quem conhece suas histórias sabe o quão encantador são todos os seus personagens e não estou falando só da ala masculina não (que vamos aqui fofocar são divinos, perfeitos e nos deixam loucamente apaixonadas), mas das personagens femininas também. A Raiza escreve de uma forma maravilhosa, ela nos leva dos sorrisos as lágrimas em questão de segundos e novamente aos sorrisos. É assim com todas as suas histórias. 
Então quem se encantou por tudo o que ela descreveu aqui de seus amores literários pôde perceber como ela é na criação dos seus, então acessem o SKOOB da autora e conheçam todas as suas obras agora mesmo.  


Nós aqui do blog somos suspeitas para falar de seus livros, pois amamos e somos loucas por tudo o que ela escreve. Então se quiserem vocês podem conferir as resenhas de O Garoto dos Olhos Azuis e O Garoto que Tinha Asas. E claro, estamos mais que ansiosas na espera por O Garoto que eu Abandonei e precisamos conhecer também seu conto. A Rah é daquelas autoras que se mandar a lista de compras a gente lê!

Beijosss e nos encontramos no próximo post do especial.
Esperamos que gostem!




1 comentários:

  1. "Quem nunca teve um amor literário que atire a primeira pedra", tem tantos que eu gosto que eu nem saberia colocar numa top list..rsrs

    ResponderExcluir