{Resenha} A Protegida de Bia Braz

O atentado no trem de Londres em 2005 marcou a sociedade inglesa. Anos se passaram, e o receio de novos ataques mantém o país em cautela. Todos os dias, novos idealistas são recrutados para integrar essa ameaça invisível ao mundo. Em meio à dor e à tentativa de continuar a viver após as perdas, pessoas diferentes têm seus caminhos cruzados.
Lisy teve seu nome mudado e adotou uma nova identidade para fugir de ameaças, comprometendo-se a uma vida com regras mais rígidas e menos liberdade, porém segura.
Katzen é uma jovem inconformada com prisões impostas, então em atos de rebeldia, abandona a proteção e diverte-se anonimamente em festas de um clube, tentando viver intensamente essa liberdade roubada. Torna-se objeto de desejo de um famoso jogador de futebol da cidade. E, disposta a viver o momento, entra nesse romance quente sem exigir nada de volta, guardando para si suas expectativas e emoções. Kat só não contava que o desprendido "pegador" não a permitisse mais sair de sua vida e complicasse seu ordenado esquema de segurança física e emocional.
Brilhante esportista e estudante de Ciências Nucleares, Nicholas Spencer vê seus mundos entrarem em conflito ao envolver-se com a enigmática ruiva Kat, que aparece e desaparece do seu mundo misteriosamente, e ao desenvolver amizade com Lisy, que de um modo sutil passa a integrar seu mundo e torna-se necessária nele.
O arrogante e superior jogador enreda-se num mundo de intrigas, ameaças, preconceito, violência e perigo ao envolver-se com mulheres que o atrai de maneiras diferentes, mas lhe são inalcançáveis.
O quanto um homem é capaz de dividir-se?
Sedutor, fascinante e cheio de reviravoltas, A Protegida irá despertar emoções de sorrisos a revolta no leitor, também é garantia de muito romance, entrega e companheirismo.

Arwen * 2016 * 704 Páginas * Classificação 3/5



Você sente que tem o controle de sua própria vida? E de seu coração?

Nicholas sempre pensou ter o controle de tudo, principalmente de sua vida e de seu coração. Jogador de futebol famoso, perseguido pelas mulheres e idolatrado por quase todos em sua volta ele realmente é alguém que acha que é praticamente o centro do universo. Sua vida irá mudar ao conhecer duas mulheres que irão transformar seu destino.

Uma delas é Katzen, uma jovem que foge da vida sem liberdade que leva, então com a ajuda de um amigo consegue aproveitar em festas e eventos, onde em um desses eventos conhece Nicholas que passa a perseguir a garota.
A outra é Lindsay é uma moça que precisa se “esconder” atrás de sua burca, noiva de um sheik, frequenta a mesma faculdade que Nicholas e precisa lidar com o preconceito de todos pela sua origem.

De inicio a única que desperta o interesse do rapaz é Kat, mas com o tempo Nicholas irá perceber que Lindsay também é uma pessoa muito especial.

Envoltos por uma trama que envolve atentados, liberdade, testemunhas de crimes, preconceito, família, amizade e religião esses personagens irão percorrer longos caminhos em busca de liberdade e da felicidade. 


“O amor supera barreiras, é um crescimento continuo. Não é um sentimento de pessoas perfeitas, mas com ele, somos levados à perfeição.”
  

Confesso que a trama me surpreendeu de varias formas. Algumas boas, outras nem tanto. Mas uma coisa é fato, Bia criou uma história bem criativa, que foge dos padrões clichês com temas bem diferentes.
A trama envolve muitos pontos, e confesso que tantas reviravoltas na verdade chega a cansar um pouco, mas ao mesmo tempo nos fisga para a história que é muito bem narrada e amarrada. Uma das coisas que me cativou é que me enganei em vários momentos. A Protegida é aquela história que com muito suspense, instiga o leitor a virar um investigador e tentar desvendar todos os seus mistérios, fui feliz em descobrir alguns, mas em outros me enganei feio.
Sobre o mistério que envolvia a vida de Kat e Lindsay, esse não foi difícil, em menos de 50 páginas, eu já havia compreendido o que era o grande mistério, mas o restante da história me pegou totalmente desprevenida, e isso é ótimo.

Um dos pontos “negativos” da história é a personalidade cansativa e narcisista de Nicholas.


Nicholas é um personagem que me irritou profundamente, basicamente metade do livro. Um homem egoísta, narcisista, e totalmente fútil. Foi um personagem que não me despertou nenhum tipo de paixão, mas ao mesmo tempo achei sua personalidade fascinante por saber que é real, afinal existem pessoas assim pelo mundo, então é brilhante encontrar personagens nos livros que reflitam essas realidades. Claro que na maior parte do tempo quando procuramos uma história esperamos encontrar um quase príncipe de contos de fadas, isso é fato, mas é bom também encontrar uma dose de realidade de vez em quando e com certeza homens como Nicholas é um banho de realidade rs.
Outra coisa que me cansou foi a relação dele com Kat, muito chove e não molha, vai não vai, quero não quero... Isso realmente me cansa. Não sei, não acreditei muito na relação deles desde o começo, com o tempo aprendi a acreditar, mas mesmo assim eu não sentia aquele “amor” que geralmente conseguimos sentir emanar das páginas de tão real que é.
Mas falando ainda um pouco sobre Nicholas um dos pontos positivos foi vê-lo amadurecer, apesar de ser um processo muito lento, foi perceptível algumas mudanças em sua personalidade e eu adoro quando encontro isso nas histórias.
Sentir que ele realmente ficou sem ação, sem saber o que fazer quando descobriu um pouco da verdade que envolvia a vida de Kat, sentir com ele como ficou perdido, sem saber o que fazer, apesar de continuar agindo como um garoto mimado e egoísta, achando que o mundo gira em torno do seu umbigo. 


“É melhor ter o que é ruim primeiro. A sensação do que é bom deve superar à do que é ruim. Para esquecermos.”
  

Gostei da forma como a autora foi capaz de segurar o mistério. Na verdade essa história é envolvida por muitos deles, então alguns a autora foi desvendando ao longo da história, outros segurou por mais tempo, o que nos fez muito pensar e tentar encontrar a solução e as respostas para tantas perguntas. Esse realmente é um dos pontos positivos, mas para mim também foi dos negativos. Eu sei, parece muita contradição. Mas acontece que assim, a autora realmente soube segurar e amarrar a história bem, mas acho que tantas reviravoltas, tantos acontecimentos pediram muitos detalhes, o que deixou a história, pelo menos para mim, cansativa. Já li livros com mais de 600 páginas, mas quando você se depara com uma história com uma trama cheia de reviravoltas e que envolvem muitos detalhes, para mim a leitura se torna meio cansativa.
Gostei da escrita da autora, adoraria ler outra história dela, e acho que A Protegida, talvez, em minha humilde opinião, com uma revisão mais “técnica” talvez pudesse se tornar uma história mais fluida. Não sei se a autora teve algum leitor beta, mas ás vezes, até mesmo um leitor beta poderia ajudar para digamos os “cortes” de cenas que na minha opinião, foram desnecessárias.

No todo realmente a história é muito criativa, o enredo fora do clichê e personagens com personalidades fortes (mesmo que personalidades por vezes não tão atrativas), como disse a história com uma revisão mais técnica poderia se tornar mais atraente e menos cansativa.

O final foi surpreendente. Acreditamos em muitas “verdades” para descobrir todas as mentiras depois. Então se você leitor gosta de uma história com muitas reviravoltas, ação, romance com uma boa dose de hot A Protegida é uma boa pedida.

Abraços

0 comentários:

Deixe seu comentário