[Resenha]: Janelas Abertas — de Ademilson Chaves

Sinopse: Martha é uma estudante de Medicina que se apaixona por Lucas, um colega da faculdade. Quando decide contar a ele que está grávida, Lucas a surpreende dizendo que está indo terminar seus estudos em outro país. Ela esconde a gravidez e vê o amado partir. Anos depois, Lucas está de volta, porém, Martha está casada e parece ter uma família feliz. Uma onda de acontecimentos invade a vida de Martha quando sua filha desaparece misteriosamente. Em meio a mistérios e caos, uma história de amor se desvela sob o olhar de um primo apaixonado, fazendo o leitor mergulhar num abismo de dores e amores, em busca do que é farsa ou realidade. Um marido infiel, uma babá misteriosa, um garoto de favela e uma violinista são peças fundamentais para desvendar o terrível crime cometido. “SERES HUMANOS PODEM NOS CONDUZIR AO PARAÍSO OU AO INFERNO. É DIFÍCIL SABER EM QUEM CONFIAR."

Eu recebi esse lançamento dias atrás, direto do autor/parceiro (P.S: Obrigada, Ad!) 💘💘💘. Trata-se de sua terceira publicação, um romance instigante e MARAVILHOSO! Eu, particularmente, sou fã de carteirinha e sinto-me honrada por tê-lo como parceiro. o/ Confira a sinopse, um breve vídeo/apresentação e o meu parecer de "Janelas Abertas", o novo livro do autor Ademilson Chaves, uma publicação da editora Selo Jovem


P.S: Vídeo editado por Simone Pesci


"Porque sempre há de se abrir uma janela..." 


Uma trama instigante! 

Aos vinte e três anos, quando os pais faleceram em um acidente de avião, Martha Lacerda herdou uma grandiosa herança. Na infância sonhava em morar com a avó e o primo, em Diamantina  MG. Contudo, os pais só permitiam que ela passasse alguns dias por lá. Os primos cultivavam um sentimento vigente, porém as idas e vindas de Martha, além de um acontecimento marcante, fez com que se distanciassem. Agora, já adultos, é o primo que parte para outro país, a fim de estudar música, algo que sempre desejou. 

"Quando fui me despedir, ela me beijou no rosto. Um beijo que demorou alguns segundos. O perfume de Martha invadiu minhas narinas e nunca mais esqueci aquele cheiro. Depois ela me abraçou apertado. E parti. Agora não era mais Martha que partia e sim, eu." (Livro: Janelas Abertas, Pág.17)




Marta se apaixona por Lucas, um colega da faculdade. Ela descobre-se grávida, e quando está prestes a revelar a gravidez, Lucas anuncia partir para outro país, para concluir os estudos. Desolada e não querendo atrapalhar os sonhos de Lucas, ela torna-se mãe solteira de uma linda garotinha, chamada Melissa. Os anos passam e ela conhece José Carlos, um advogado pé de chinelo, que aproveita de sua fragilidade, mostrando-se gentil e amável, acabando por se casar com ela. Sua intenção é nada menos que roubar toda a fortuna da esposa. 

"A moça fechou a porta atrás de mim e o quarto ficou mais escuro ainda. Fiquei ali, parado, olhando para Martha, que parecia não ter notado minha presença. O ambiente escuro e a nostalgia daquela imagem de Martha naquela cama, me deixavam estático, sem reação. Foi aí que me aproximei da janela, abri a cortina, puxei o trinco e abri. Uma claridade imensa invadiu o quarto e tudo ficou claro. Virei-me para Martha e disse:  De janelas abertas... é assim que deve ser." (Livro: Janelas Abertas, Pág.77)

Quase vinte anos depois o primo retorna e fica estupefato com o que vê: Martha está bem diferente da moça que transbordava beleza e alegria. A filha, Melissa, foi sequestrada aos seis anos, desde então ela sobrevive sendo dopada e trancafiada dentro de um quarto,  vítima de mais uma (entre tantas) mentiras do seu marido. O marido envolve Lia (a ex babá de Melissa) e o seu filho, Dimas, numa enrascada. Lucas, por sua vez, voltara anos atrás, mas fora impedido de vê-la, devido as condições psicológicas. Acreditando em tal mentira, acaba por se casar com Alice, ex secretária de Martha e filha de uma das faxineiras do hospital que ela é dona. 


 


"Uma covinha apareceu na sua bochecha direita, tal qual sua filha Melissa tinha. Aquele sorriso ela jamais havia esquecido. Era o sorriso de sua Melissa. Foi então que não resistiu, seus olhos encheram-se de lágrimas, os lábios tremularam, suas pernas fraquejaram e foi ao chão." (Livro: Janelas Abertas, Pág.91)

Agora cesso os comentários para não soltar spoilers

Resenhar um texto do Ademilson Chaves é sempre difícil, pois qualquer palavra impensada pode se tornar um spoiler. O autor é um exímio contador de histórias instigantes e bem amarradas  e esse caso não fugiu à regra, pois ele mandou excepcionalmente bem, deixando-me intrigada a cada virar de página, algo que acabara se tornando sua marca registrada. O que eu disse acima é pouco diante o que o contexto apresenta, afinal, o mal do malandro é achar que todo mundo é otário. E por mais malandro que alguém tente ser, há uma probabilidade de se perder em sua teia de intrigas. 

Janelas Abertas leva como pano de fundo a música com o mesmo título, uma canção de Tom Jobim e Vinícius de Moraes. A trama é nada menos que uma linda história de amor e intrigas, onde mostra até onde uma pessoa é capaz de ir para conseguir o que tanto almeja. Dentre alegrias e tristezas, fui me envolvendo com o conteúdo, além de tentar desvendar os mistérios. O texto é envolvente e direto, algo que aprecio muito (odeio textos detalhados). Os personagens secundários são tão importantes quanto os protagonistas. Eu senti um mix de emoções: raiva e paixão foram um dos ingredientes. Os capítulos finais foram ainda mais surpreendentes, algo que eu já esperava  e o final, apesar de me deixar um pouco triste com o destino de um dos personagens, foi bem legal. Por fim, para quem já conhece (e curte) os trabalhos do autor, não hesite em adquirir mais essa maravilha. Para quem curte um romance com muito suspense e reviravoltas, ou seja, uma anotação verossímil da vida, eis essa MAGNÍFICA pedida. E pra fechar com chave de ouro, afirmo: "Eu leio até mesmo a lista de compras do Ad". o/ 

O enredo é narrado em terceira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; a diagramação está boa, com espaçamentos e fontes em boa medida, apresentando a cada início de capítulo um violino, adornada em papel pólen off-white (o amarelinho mais claro); e essa capa está divina, estampando Melissa fazendo algo que tanto ama, isto é, tocando violino. 



Livro: Janelas Abertas
Autor: Ademilson Chaves
Gênero: Romance/Suspense
Editora: Selo Jovem
Ano:2017
Páginas: 260


✔ Para adquirir a obra, clique AQUI.


Abraços literários,
Simone Pesci
http://simonepesci.blogspot.com.br/

0 comentários:

Deixe seu comentário